Powered By Blogger

terça-feira, 10 de janeiro de 2023

Resumo do ano 2022

2541,4 km rodados em 212 treinos, 2 maratonas, 2 meias-maratonas, 1 maratona e 1 meia-maratona não completadas, 1 São Silvestre, 1 prova de 30km.

60 sessões de fortalecimento muscular

1000m de natação

4h57m no elíptico

1h15 min no remo indoor

1h47 min na bike indoor

1 Covid

2 caganeiras/viroses brabas

2 bronquites/rinites/laringites pesadas

1 lombalgia

1 tendinite persistente no Aquiles direito

1 estiramento no gastrocnêmio esquerdo


Anozinho do cão, hein? Muita doença, criança voltando para as aulas e compartilhando todos os tipos de vírus possíveis com o pai, algumas lesões, das quais a maldita tendinite no tendão de Aquiles direito, que perdurou de março a dezembro (ainda não tá 100% zerada, embora muito mais leve e controlada). Passagem por duas assessorias - Marcelo Camargo e Run & Fun, o que foi interessante para conhecer novas metodologias de treinamento e entender o que funciona melhor para mim e o que não funciona tão bem. Com a Run & Fun farei mais um ciclo de maratona pelo menos, já que o do 2º semestre de 2022 foi muito prejudicado pela lesão no Aquiles (embora a recuperação treinando com a assessoria tenha sido ótima). Passei muito mais tempo do que gostaria rodando em elipitico, bike e remo, por caus disso...

Duas desistências em provas de distâncias que nunca havia desistido. Na Meia Golden Run no RJ alguma coisa tava errada comigo no dia, eu simplesmente não conseguia correr no ritmo de 2h00, o que deveria ser muito simples e abri mão da prova ainda no 3º km. Até agora não sei o que deu, só sei que não conseguia correr. Já na SP City, o que atrapalhou foi o tendão de Aquiles, que tava incomodando, incomodando e perto da passagem da meia a dor aumentou. Resolvi deixar a prova ali no 21ºkm, já que estava na arena da prova mesmo. Em ambas as provas, daria para continuar e terminar em um ritmo bem lento, mas como estava como puxador de ritmo para 2h00/4h00, a partir do momento em que a missão foi abortada, simplesmente não vi mais motivo para continuar simplesmente para completar a prova.

Outra prova do Projeto sub2/sub4 do Corrida no Ar que não rolou foi a Meia Golden Run SP, mas essa por COVID-19 descoberta na véspera... já a Maratona de Porto Alegre foi a única em que tudo deu certo, uma maratona redonda para 3h58/3h59 puxando o ritmo e incentivando a galera que veio junto, terminando a prova sobrando, mesmo com o incômodo no tendão de Aquilea, que não inviabilizou a corrida.

Teve ainda Maratona de Curitiba, feita em substituição à Maratona do Porto, abortada de última hora, e onde simplesmente fui para me divertir e "gastar" o ciclo de treino. Podia ter sido melhor sem parar no banheiro químico, mas tudo bem... no dia da prova, em especial, o abdomem tava super distendido, super estufado, estranho, o que não impediu de fazer a prova, mas dificultou um pouco. Aquele costelão... ai ai.

A única prova realmente boa foi a Meia de Manaus. Não por conta do resultado bruto, 1h58m, mas porque consegui fazer isso em condições bem adversas de clima, em uma prova com altimetria exigente, e durante um ciclo bem complicado, me recuperando da tendinite do Aquiles. 

De resto foi um ano com menores participações no Corrida no Ar, dado os novos formatos que o Sérgio vem adotando no canal, maior trabalho com o moleque que tá crescendo e exigindo cada vez mais (mas que também conseguiu duas 2 primeiras medalhas em corridas!) e a enorme felicidade de ver o cramunhão, o capeta, o anticristo, o grandessíssimo filho da puta do Bolsonaro não sendo reeleito, o que pelo menos pode indicar uma volta do país a uma certa normalidade. Normalidade no Brasil não é uma regra, mas a sociedade brasileira sob Bolsonaro tava muito zoada, tendo como debate nacional coisas que são absurdas (vacina, urna eletrônica, golpe de estado, fora terra plana e outras idiotices) e que jamais deveriam ser minimamente levadas a sério.

E o Brasil não ganhou mais uma Copa... por que você foi marcar lá em cima, Fred? Por que o Casemiro não fez uma falta técnica no Modric? Por que os atacantes de lado não voltaram para cobertura do meia? Parabéns à Argentina, foi a melhor final de Copa de todos os tempos e um dos maiores jogos de Copa da história!!

São Silvestre 2023

A festa. São Silvestre é isso, é festa. Você vai na Expo e encontra um milhão de pessoas (e não encontra outro milhão de pessoas), vai para a prova de metrô lotado de corredores, tenta achar os amigos na largada, corre devagar pra poder conversar, faz festa, berra qualquer coisa que estão berrando, vê o monte de gente fantasiada, encontra outro monte de amigo, sobe a Brigadeiro correndo só pensando no posto de hidratação de cerveja do Km 14/41, fica nesse posto por meia-hora, termina a prova pra pegar medalha, fica irritado porque os caras não conseguem fazer uma porra de uma dispersão decente, esquece tudo para tomar mais cerveja e bater mais papo em algum bar na região da Paulista e lava a alma de mais um ano completado com corridas, muitas corridas!!










Resumo do mês - dezembro/22

160,6km corridos em 17 treinos e 1 São Silvestre

1000m de natação

2 sessões de fortalecimento muscular


01 - fortalecimento muscular

02 - 6km leve, de Nike Invincible

03 - 15km de longuinho, de Nike Invincible

04 - off

05 - Rodagem Z3 1hora, 10,6km de Fila Racer Carbon

06 - fortalecimento muscular com estalo na lombar (hmmmm)

07 e 08 - off forçado

09 - Rodagem 1hora, 10,1km de Nike Invincible

10 a 13 - off virose e a lombangia ainda lá

14 - Rodagem 1hora, 10,1km de Puma Deviate Nitro

15 - Levíssimo, 1hora, 8,6km de Nike Invincible

16 - off

17 - Levinho na USP, 1 hora, 9km, de Puma Deviate Nitro, e 1000m de natação

18 - 5,7km no treinão Joma + Showzaço, de Joma Super Cross 6

19 - 6km leve, de Nike Invincible

20 - 5km leve + 2km de teste do relógio. 7km de Puma Deviate Nitro

21 - 6,3km leve, de Fila Racer Carbon

22 - 4km no Ibira, na Corrida do Koji Amigos do Ibira, de NB Supercomp Racer

23 - 5km com retinhas, de Puma Deviate Nitro

24 - 12km no Ibira rodado, de Nike Invincible

25 - Natal off

26 - 10km queimando peru com bpm baixo, de Puma Deviate Nitro

27 - 9km com 20minutos de tiros curtos em subida, de Skechers Razor 3 

28 - off

29 - 10km com bpm baixo, de Nike Invincible

30 - off

31 - São Silvestre em umas 2 horas, fazendo festa, de Joma Super Cross 6

quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

Maratona de Curitiba 2022

A maratona de Curitiba veio, basicamente, como uma substituição da Maratona do Porto, prova que eu irai fazer em 06/11. Ia porque faltando umas 2 semanas, veio a notícia que eu imaginava que viria, ante o silêncio dos organizadores durante esse tempo todo: eles não iriam bancar a minha passagem para Portugal.

Uma pena, mas eu meio que já esperava justamente porque ninguém falava nada, ninguém entrava em contato... mas o que fazer faltando 2 semanas para a prova? Mais ainda, com o meu cronograma pessoal de férias e coisa e tal fechado para essa data? Atrapalhou bastante as minhas férias e a própria possibilidade de tentar encontrar alguma outra prova interessante. Pelo menos eu não tinha comprado passagem para a família ir para o Porto, ia ser uma chateação acertar isso.

Aí, olhando o cronograma de provas que poderia fazer sem vender um rim a melhor opção era a velha e tradicional Curitiba. Que não é rápida. Que eu já fizera e quebrara fragorosamente em 2017. Mas que é uma cidade que gosto muito, perto de São Paulo e em uma viagem barata. E de qualquer modo, por conta da lesão no Aquiles, eu estava longe da minha melhor forma, então não teria como tentar um tempo forte, apenas completar bem a prova.

A Expo estava maior do que no ano em que fui, até pelo tamanho da prova, que também cresceu. O Museu Niemeyer acabou sendo um lugar muito legal para isso, perto da largada e chegada, só tinha o problema de ficar um pouco mais longe da maior parte dos hoteis de Curitiba. Os poucos hotéis próximos já estavam, previsivelmente, lotados. Mas eu me acertei com uma hospedagem relativamente próxima e bem confortável, após um pequeno contratempo e dormi bem. Em tese, estava bem para a prova.

Em tese, porque na prática, alguma coisa não estava muito boa no meu intestino. Talvez o "fuso horário" da prova, cuja largada era às 5 da manhã. Apesar de ter ido ao banheiro cedinho, às 7 da manhã, no meu horário habitual de número 2 e basicamente no meio da meia-maratona, deu vontade... e a vontade foi sendo administrada, administrada até que no km 30, o banheiro químico, mesmo com fila, se mostrou irresistível...

Eu tinha saído para um ritmo de 4h00, ou seja, mais ou menos 5m35/km. No entanto, lá pelo km 10, encontrei o Junior Double, a Gi e as atletas que ela treina na G+ em um ritmo de 6min/km. O 5m35/km tava até tranquilo pra mim, mas pensando na companhia, na falta de uma motivação maior para fazer tempo na prova e na própria dificuldade que teria nos kms adiante, resolvi seguir com eles e fui assim até esse km30 do banheiro, muito de boa. 

Lá dentro eu resolvi as minhas coisas rápido, mas por causa da fila que me fez esperar uns 6 minutos, não dava mais pra pegar esse bonde dos 6min/km da galera. Até encontrei o Junior, já mais lento por conta do desgaste de ter feito uma ultra de 84k no dia anterior, mas ele estava muito mais lento e segui em frente. 

Apesar da esvaziada, ainda não tava muito bom. Logo depois de uma coca-cola, a barriga ficou super estufada, tava desconfortável pra correr e fui me arrastando, menos por causa das pernas, mais pelo desconforto abdominal mesmo. E assim terminei tranquilo, sem me importar com ritmo, mais fazendo festa, em 4h18, pelo menos sem aquela sensação de quebra. Especialmente após ir ao banheiro logo depois da chegada...








Resumo do Mês - Novembro/2022

191,6 km em treinos e 1 maratona 

3 séries de fortalecimento


01 - 10,5km rodando no Ibira (1h), de On Cloud Monster

02 - 15min leve + 5km ritmo + 15min leve. 9,8km, de Adidas Adios Pro 3

03 - off

04 - 7,7km em 45min leve, de Brooks Hyperion Elite 2

05 - 18km na USP com variação de velocidade, a 5m34/km, de Adidas Adios Pro 3

06 - off (viagem de férias)

07 - 15min leve + tiros de 800m (3m32 de mérdia) + 15min leve. 9,5km, de Saucopny Endorphin Pro

08 - 6,7km leve com subida e piso de terra, de Saucony Endorphin Pro

09 - 15min leve + tiros de 400 (1m40) + 15min leve. 8,7km, de Skechers Razor Elite

10 - off

11 - 6,5km de rodagem leve com subida, de Saucony Endorphin Pro

12 - off

13 - 21,1km no Ibira, a 5m25/km, de NB Supercomp Pacer

14 - off

15 - 9,4km de rodagem com acelerações curstas de 500m, de NB Supercomp Pacer

16 - 6km leve, de Fila Racer Carbon

17 - off

18 - 5,3km em 30min, de NB Supercomp Pacer

19 - off

20 - 42,2km na Maratona de Curitiba, em 4m17s59s, com paradinhas no banheiro químico... de Adidas Adios Pro 3

21 - off

22 - off

23 - fortalecimento

24 - off

25 - fortalecimento

26 - 9,3km levinho na USP, de Brooks Hyperion Elite 2

27 - off

28 - fortalecimento

29 - 12km leve, de Nike Invincible Run

30 - 10min + 15min + 3min + 1m30 + 3min + 1m30 + 15min. 8,1km de Nike Invincible

quinta-feira, 3 de novembro de 2022

Meia Maratona de Manaus - 2022

O convite para participar da Maratona de Manaus viera há algum tempo. O Sérgio Rocha não poderia ir porque estaria em outro evento e o Nishinho aqui foi representar o canal. A questão era: Meia ou Maratona?

Acabamos definindo a meia porque por contra de outro compromisso, o Sérgio não poderia estar na Maratona do Porto, duas semanas depois, e eu também iria para lá. Depois deu tudo errado, o Porto cancelou minha ida em cima da hora, mas eu já não estava com o cronograma de treinos certo para correr a maratona em Manaus e fiz a meia mesmo.

Ainda bem!

Que lugar úmido! Sim, claro que eu já sabia que era úmido, mas uma coisa é saber, outra é estar lá, sentir a umidade e perceber que para correr a Maratona eu teria que estar muito bem preparado para conseguir terminar de forma minimamente decente. Ali o clima não perdoa. Se você estiver um pouquinho mal, tá ferrado, vai ser espancado pelas condições climáticas!!

Em contrapartida, foi a maior Maratona de Manaus da história e um dos grandes eventos de corrida do país neste ano. Além de ser a prova com a maior premiação brasileira na somatória de valores, ela foi intensamente promovida no Brasil e no exterior também, com o envio de delegações a Expos de diversas maratonas estrangeiras. A prova contou com um grande apoio do Poder Público, interessado em promovê-la como um grande evento turístico da cidade e, de fato, reuniu atletas do Brasil inteiro e vários estrangeiros, com a proposta de que os atletas corram a prova e realizem passeios turísticos para conhecer a Amazônia.

Foi o que fizemos. Foram vários passeios, conhecendo o incrível Teatro Amazonas, o Mercado Municipal, o Centro de Manaus e um pequeno safári amazônico de meio-dia com a Shalom Tours, conhecendo o encontro das águas do Rio Negro e Solimões, encontro com tribo indígena e a possibilidade de nadar com botos cor de rosa. Incrível!!







Interessante também foi a Expo. Com duração de 2 dias (sexta e sábado), foi realizada num Centro de Convenções bastante amplo, do lado da Arena da Amazônia e do Sambódromo, e parecia suficiente para o fluxo de pessoas imaginado. No entanto, mais de 90% dos incritos apareceram para a retirada do kit na sexta-feira, causando uma fila bem grande. No sábado, dia que naturalmente costuma ser o mais cheio por conta do final de semana, a Expo estava extremamente tranquila, com pouquíssima gente e filas minúsculas... 


Com largada marcada para 4 da manhã para a maratona, 4h20 para a meia e 4h40 para os 10kms (o 5km foi realizado no próprio sábado, no final da tarde), a rotina pré-prova foi bem alterada. Tive que acordar às 2h00, até mesmo porque o hotel onde estava hospedado ficava do lado oposto da cidade em relação à Arena da prova, na Ponta Negra. Tirando a falta do cafezinho da manhã, deu tudo certo. O motivo dessa largada tão cedo, obviamente, era tentar evitar ao máximo o calor e a exposição dos atletas ao sol. E para os 10km e para a meia, deu certo para a maioria dos corredores.

Eu completei a prova em 1h58m53s, em uma perfomance que considerei excelente pela condição de umidade e calor, e não peguei sol, apenas a claridade da manhã. O sol mesmo foi aparecer lá pelas 7h30 e castigou mesmo a partir das 08h00. Assim, maratonistas que conseguiram completar a prova abaixo de 4h00 não sofreram tanto. 


Tenho que registrar que além das condições climáticas, Manaus também oferece outra dificuldade: a altimetria. Se engana quem pensa que Manaus é uma cidade totalmente plana por ficar à beira do rio e na planície amazônica. Não existem montanhas muito altas ou coisa do tipo, mas as inclinações são constantes e a prova é bastante exigente sob esse ponto de vista. O percurso dos anos anteriores era ainda mais exigente, mas foi alterado para que a prova passasse pela ponte sobre o Rio Negro, um lugar muito bom para correr por ser bonito e com uma brisa agradável, mas que, é claro, tinha a sua altimetria e inclinação para serem vencidas.

Ao contrário do que costuma acontecer em provas em SP, as avenidas e ruas onde a prova passou não foram totalmente interditadas, exceto na região mais próxima da largada e chegada. Isso ocorreu porque algumas delas eram o único acesso ao próprio bairro da Ponta Negra, além da Ponte do Rio Negro ser o único acesso terrestre ao outro lado do rio. Mas o controle de trânsito foi muito eficiente e considerando o horário da prova, o trânsito era bem tranquilo, não tivemos registro de qualquer problema.

Por fim, chamou a atenção na prova a quantidade de barracas e tendas de clubes de corrida e assessorias esportivas. Muito mais clubes de corrida, por sinal, um fenômeno bem diferente de SP, onde eles praticamente inexistem e onde esse papel cabe às assessorias esportivas mesmo. E muitas dessas barracas apresentavam uma estrutura incrível, com um verdadeiro buffet de café da manhã para seus atletas, buffet que é melhor do que o de muito hotel 3 estrelas por aí!! A interação com a galera local foi também excelente e isso incluiu também as autoridades presentes e que até correram a prova, como foi o caso do próprio Prefeito de Manaus.

Enfim, um provão! Um belo desafio, exigente, mas uma prova otimamente organizada, com água a cada 2kms, arena muito espaçosa, com shows e uma largada inacreditável, com fogos e um pórtico-telão de fazer inveja a qualquer maratona no mundo! Faria de novo, tranquilamente, mesmo com esse sofrimento todo por causa do calor, como desafio a ser vencido!!





quarta-feira, 2 de novembro de 2022

Resumo do mês - outubro/2022

 256,6km em outubro, em 22 treinos e uma meia-maratona em Manaus

15min de elíptico

15min de remo


01 - off com tosse e P.A. Kids com o Rafael

02 - Longão de 26km abortado pela tosse/bronquite. 5,2km, de Skechers Razor Elite

03 - 60min progressivo, de Skechers Go Run Razor 3, com tosse melhorando um pouco

04 - 45min leve (7,4km), de Saucony Kinvara

05 - 20min leve (3km) + 20 min acelerando (3,6km) + 20 min leve (2,9km). Não saiu o ritmo forte. Saucony Endorphin Pro

06 - 60 min leve. 10,5km, de On Cloud Monster

07 - 15min de elíptico e 15min de remo

08 - 4km no lançamento do Mizuno Wave Rider 26, obviamente de Mizuno Rider 

09 - 24km no Ibira, a 5m50/km, de Mizuno Rebellion

10 - 6,5km em 35min de rodagem, de Mizuno Rider

11 - 10 min leve + 10 min ritmo + 3x (5min subida e descida com 1m30 de pausa) + 15min leve. Total de 8,9km, de Skechers Razor Elite

12 - 5,6km em 35min leves, de Skechers Razor 3

13 - 10,4km em 60 min, rodagem de Skechers Razor Elite

14 - off

15 - Longão de 32km na USP, rodando mais leve a 6m02/km, de Brooks Hyperion Elite 2

16 - 5km em 37min leves, no Treinão do Canal Corredores na ZN, de Skechers Go Ride test drive

17 - 6,7km em 40min leve, de Saucony Type A

18 - 9,2km em 50min ritmado, de Fila Racer Carbon

19 - 10min leve + 2x (1km mais puxado/1km leve) + 10min leve. Total de 7,7km, de Skechers Razor 3

20 - off em Manaus

21 - 6km em 44 min testando a umidade de Manaus (e com vontade de cagar). de Mizuno Rider

22 - off em Manaus

23 - Meia Maratona de Manaus, em 1h58min53s, de Skechers Razor Elite

24 - off em SP mesmo

25 - 3km leve + 4km ritmo + 3km leve. Total de 10km, de Fila Racer Carbon

26 - 11km em 60min, de Skechers Razor 3

27 - 15min leve + 6x (1km ritmo + 2min intervalo) + 15min leve, com muito calor (33 graus!), de Adidas Adios 2018

28 - off

29 - Longão de 28km com quebra depois do km23 (muito calor!), de Fila Racer Carbon

30 - off

31 - 5km muito levinho, de Mizuno Rider



quinta-feira, 6 de outubro de 2022

Resumo do mês - setembro/2022

203,4 km, com o tendão de Aquiles melhorando, mas um final de mês com muita tosse e bronquite.

5 séries de fortalecimento para corredores

118 min no eliptico

20 min bike indoor

20 min remo indoor


01 - 5km leve, de Saucony Kinvara 9

02 - Fortalecimento para corredores

03 - 18km testando o tendão de aquiles, a 5m30/km, no Ibira, de Brooks Hyperion Elite 2

04 - off

05 - 10 min leve (1,5km) + 5km firme (4m/52/km) + 20 leve (3,2km). Total 9,7km, de Skechers Razor Elite

06 - 40 min eliptico

07 - 10min leve (1,6km) + 30min ritmo (5m06/km - 5,9km) + 10 min desaq (1,5km). Total 8,9km, de Mizuno Wave Rebellion

08 - 60min leve (9,2km), de Fila Racer Carbon

09 - 20min bike indoor + fortalecimento para corredores

10 - Longão 4km leve + 16km ritmo (5m25/km) + 4km leve. 24km de Adidas Adios Pro

11 - off

12 - 15min leve (2,5km) + 4x1000 (4m27/4m19/4m26/4m34) + 15min leve (2,4km). Total 9,6km, de Mizuno Wave Rebellion

13 - 33min eliptico

14 - 10min leve (1,6km) + 5min ritmo (1km) + 6x 3min forte/2min leve (4m16 a 4m30) + 10min leve (1,6km). Total 9,8km, de Skechers Go Run Razor 3  + fortalecimento para corredores

15 - 40min leve (7km), de Joma Super Cross 6

16 - Fortalecimento para corredores

17 - 22km longo ritmo a 5m17/km. de Adidas Adios Pro 3

18 - off

19 - 15min leve + 5min ritmo + 6x 2min/1min (4m20-4m23-4m26-4m29-4m18-4m18/km) + 15min leve. Total 8,4km, de Skechers Razor Elite

20 - 20min eliptico + 10min remo

21 - 10min leve (1,5km) + 4x400m c/1min descando caminhando (3m56-3m48-3m50-3m40/km) + 15min leve (2,3km). Total 5,7km, de Skechers Razor Elite

22 - 25min eliptico + 10min remo

23 - 40min leve (6,8km), de Skechers Go Run Razor 3  + fortalecimento para corredores

24 - 15min leve (2,3km) + 18km ritmo (5m33) + 5min leve (0,8km). 21,1km, de Joma Super Cross 6

25 - off

26 - 7,8km no Museu do Ipiranga, com educativos e muita chuva, de On Cloud Monster

27 - off

28 - 10km ritmo em 50m41s, de Adidas Adios Pro, com muita chuva e um pouco de tosse no Ibira.

29 - off (tosse, bronquite, febre)

30 - 50min leve (8km), com tosse, de Skechers Go Run Razor 3


quinta-feira, 15 de setembro de 2022

Maratona Fila 2022 - Revezamento na USP

Outra prova na qual me inscrevi antes dessa história toda de tendão de Aquiles e entrada na Run Fun foi a Maratona Fila, fazendo em revezamento com o Madeira e o Marcel, meus amigos sãofranciscanos que agora correm, e o Germano, vizinho de prédio do Madeira e que virou parça. 

Só que...

Só que...

Só que nem tudo sai como planejado. No final das contas, o Madeira não pode ir, o que não foi difícil de substituir, já que a Fê Pascale também corre e ainda ia tornar o time mais rápido. O problema é que o Germano também não pode ir e a gente ficou em 3 corredores, até que o Felipe, irmão da Fê e cunhado do Marcel, se dispôs a correr conosco. Como ele é Poli, o time ficou 100% USP.

O que efetivamente não quer dizer muita coisa em termos de performance, já que a Fê corre melhor que o Madeira, mas o Felipe não corre mais que o Germano, além de eu estar nessa situação meio manco. Só o Marcel tá bem e, de fato, ele acabou sendo o melhor tempo do quarteto. Mas quem se importava? O negócio era correr mais uma provinha, participar do fuzuê e coisa e tal.

Na minha perna em si, eu fui o cara que abriu o revezamento e depois de um primeiro km relativamente tranquilo, encaixei um ritmo de 5min/km, o que nas atuais condições tava excelente (e bem forte). Na minha perna o clima tava gostoso de correr, meio friozinho, mas céu aberto, e fechei 54min49s esse 10,5km, segundo o tempo oficial, com o quarteto fechou em 3h46min46s.



 


Foi legal a brincadeira? Foi. Doeu o tendão? Não mais do que o normal e serviu como mais um teste e mais um estímulo. Vamos aos pouco ganhando confiança e dessensibilizando o tendão.


5 km do Mania de Corrida e 3km do Lançamento do Adidas Adios Pro 3

Depois do fracasso da Sp City, depois de consulta com a Ana Paula Simões e a Raquel Castanharo, tava na hora de tentar consertar esse tendão de Aquiles do pé direito, pegar leve, recuperar. Isso tudo bateu com o início do ciclo de treinamento com a Run Fun e o Mário Sérgio, que em conjunto com a médica e a fisioterapeuta, me colocou para treinar bem levinho, subindo aos poucos os estímulos.

Nos primeiros dias, nem corrida tinha. Depois que saiu o resultado da ressonância, melhorou. Não havia mais uma lesão no tendão, mas apenas uma extrema sensibilidade, o que causava as dores fantasmas, que vão e vem sem muito sentido. A região ainda está sensível então também dói ao se apalpar, mas estruturalmente tá ok.

Aí tivemos os 5km da Corrida do Mania de Corrida, em Mairiporã, no dia 14/08. Céu aberto, achei que ia estar um pouco friozinho pela manhã e depois esquentaria e acertei a segunda parte: esquentou depois que o sol subiu. Mas de manhãzinha... era uns 5 graus, uma friaca do cão, quase uma crioterapia ao céu aberto!! Ainda bem que era prova festiva e eu resolvi correr com o Bobby, para tentar ser o mais lento possível. E consegui!! A emoção foi tanta que eu até esqueci de ligar o GPS, só acionei depois uns 2 km! Deu 40min para 5km, um pace lindo de 8min/km!!




Logo depois, na quinta-feira seguinte, teve o lançamento do Adidas Adios Pro 3, um evento no Campo de Marte. Ali a coisa era diferente, para testar um tênis que se propõe a ser um campeão de velocidade, fizeram um percurso de 3km para socar a bota. Como foi à noite no Campo de Marte, por mais que tivessem se esforçado, haviam trechos meio escuros para serem corridos com um tênis que nas suas 2 primeiras versões não era exatamente estável.

Felizmente esse foi um quesito bem melhorador no Adios Pro 3. Mesmo assim, no escuro e com um tamanco novo, deu um certo medinho de socar a bota 100% em alguns trechos escuros. A seleção de convidado também foi bem forte, tanto que teve gente correndo os 3km abaixo de 9min e eu, com os meus 14min, fiquei em antepenúltimo no geral (14min pra 3km não é muito rápido, mas tá longe de ser super lento, né?) 

Mas valeu a pena receber uns mimos como uma mochila legal, roupa e o tênis que é super caro e realmente é bem rápido!! E o tendão? Bom, nem lembrei, pra ser sincero...






Resumo do mês - agosto/2022

130km corridos em 16 treinos de corrida

1h27min de bike indoor

2h44min de transport/elíptico

40min de remo

7 séries de fortalecimento muscular

Recuperação da lesão do tendão de Aquiles e início do ciclo com a Run Fun



01 - 5,1km levinho da esteira, de Skechers Razor Elite

02 - 6km ainda leves, de Fila KR3

03 - 5,4km ainda leves na esteira, de Skechers Go Run Razor 3

04 - off

05 - 20min de bike indoor e 20min de transport

06 - 15min de transport e 25 min de bike indoor

07 - off

08 - 20 min de remo indoor + 20 min transport + fortalecimento

09 - 22min de bike indoor + 10 min transport

10 - off

11 - 6,3km na esteira, de Saucony Kinvara 9

12 - fortalecimento muscular

13 - 9,5km na USP, de On Cloud Monster

14 - 3km aquecendo + 5km na Corrida do Mania, de Joma Super Cross 6

15 - 8,7km rodado de Mizuno Wave Rebellion

16 - 20min de remo indoor + 10 min transport

17 - 9,5km rodado, de Fila Racer Carbon + fortalecimento muscular

18 - 3km em 14min no Lançamento do Adidas Adios Pro 3

19 - 7km de rodagem com o Adidas Adios 2018 + fortalecimento muscular

20 - 11km rodado na USP, de Adidas Adios Pro 3

21 - off 

22 - 10min bike indoor + 20min transport + fortalecimento muscular

23 - 11km rodagem, de Brooks Hyperion Elite 2

24 - 10min bike indoor e 26 min de transport

25 - 6,7km leve, de Skechers Go Run Razor 3

26 - 5km leve, de Nike Free 3.0 + fortalecimento muscular

27 - off

28 - 10,5km na Maratona Fila de Revezamento, de Saucony Endorphim Pro

29 - 10min leve + 5x 1min subida/1min descida recuperando + 10 min desaq. Total de 8,1km, de Adidas Adios 2018

30 - 43 min no transport

31 - 10min aq + 5min rodagem + 3km ritmo + 25 min desaq. Total de 9,5km, de Kalenji Race + Fortalecimento muscular


terça-feira, 2 de agosto de 2022

As duas desistências em sequência - Asics Golden Run RJ e SP City Marathon

Complicado... as únicas provas em que tinha desistido tinham sido as ultratrails entre 2012 e 2015. Nunca tinha desistido ou mesmo cogitado desistir em outras provas, de distâncias menores, especialmente no asfalto. No entanto, um dia esse dia ia chegar. Só não precisava ser desse jeito, em sequência, né?

Mas um dos fatores que me levaram a desistir foi a questão da missão. Porque nessas duas provas havia uma missão, que era ser marcador de ritmo para 2hs e 4hs respectivamente. Aliás, um ritmo tranquilo para eu levar em condições normais.

Só que nem sempre estamos em condições normais. E nesse caso em que percebi que não ia dar para levar a prova, a marcação do ritmo, ao invés de simplesmente terminar a prova sossegado, como faria em um dia adverso, eu parei porque a missão já tinha deixado de ser cumprida. 

Na Asics Golden Run RJ, o que aconteceu foi uma caganeira forte nos dias anteriores à prova. Embora aparentemente o problema estivesse resolvido na hora da prova (não tive vontade, não tive urgência), ao sair para correr estava bem debilitado. Fazia uma força enorme para acompanhar um ritmo tranquilo. Foram 1, 2, 3 km nessa toada de sofrimento puro, como se estivesse correndo a 4min/km e quando percebi que simplesmente não ia conseguir acompanhar o pessoal, larguei mão. Não vi sentido em continuar trotando até o final, já que estava bem ruim, com meros 4km completados. Peguei o metrô, fui para a arena esperar os companheiros e creio ter feito a melhor escolha. Até porque mais tarde, a caganeira voltou, com menor intensidade, e passei mais uns 2 dias zoado 

Na SP City Marathon, não houve caganeira. Mas assim como ocorreu na Asics Golden Run, o sistema não estava funcionando do jeito certo. Não era para estra fazendo força a 5min40/km. Não era para os bpms estarem tão altos naquela faixa de velocidade. Embora desde o começo desse para perceber que não estava normal, também não estava tão debilitado como no Rio. Mas essa dificuldade, aliada à dor da maldita tendinite do tendão de Aquiles direito, começaram a tornar inviável seguir com o grupo. As subidas, especialmente, eram um sofrimento, por causa do tendão. E no km 19, dentro do túnel do Rio Pinheiros, percebi que insistir não ia dar certo. Até porque já estava com cãimbras nas costas e as pernas anormalmente cansadas. Como se diz entre os maratonistas, tem que passar a meia bem, tranquilo, sossegado, porque se já passar cansado, a segunda metade da prova vai ser puro sofrimento.

Aí recolhi na meia-maratona. Ao invés de seguir o percurso para a maratona, desci e completei junto com o pessoal da meia. Uma sensação de derrota e alívio, já que, pelo menos, sofri pouco. Se tivesse insistido, teria morrido no km 27, 32 ou coisa do tipo e ia ter que voltar um loongo caminho...

O corpo mandou mensagens antes. A Speed Run não foi fácil. Os treinos nessa reta final estavam complicados, mais treinos ruins que bons. A tendinite ia e voltava. O ciclo não foi bom e a sensação é a de que estava já na descendente da preparação, embora ainda tivesse essas duas provas para fazer. Num dia bom, acho que ainda faria, com um pouco mais de esforço que o necessário, mas faria. Mas num dia ruim, não teve salvação. 

Deu ruim. Eu diria que o curriculo ficou manchado, se ele valesse alguma coisa. Mas como corrida é isso, diversão, hobby e felicidade, não tem porque se importar muito com isso. É como perder uma pelada no futebol, perder no videogame pro filho, perder no truco contra os amigos. Levamos a sério porque gostamos, mas não podemos levar a sério demais porque não é nossa profissão!!

E simbora para as próximas provas!!!

Speed Run SP - 30km

A Speed Run SP era a antiga New Balance 15km, que mudou de nome porque... sei lá porque! Só sei que normalmente a prova tem um nome que remete à maior distância em curso e neste caso era o contrário, já que apesar do nome original 15km, a prova ainda tinha a distância de 30km.

De qualquer forma, com a mudança do nome, a NB 15km, que já vinha criando uma pequena tradição, acabou de vez. Lógico que ao longo dos anos o próprio perifl da prova mudou. Ela começou como "Excelent Series" porque demandava um tempo mínimo para que a pessoa pudesse se inscrever, como se fosse uma mini-Maratona de Boston. Os tempos não eram tão seletivos assim (eu entrei!), mas deixavam muita gente de fora, então isso logo foi revisto. Agora parece que a New Balance realmente está saindo desse negócio de "prova proprietária", sendo apenas uma patrocinadora em 2022 e nem sabemos se vai rolar a mesma prova em 2023.

O que importa é que a distância de 30km a 3 semanas da realização da SP City Marathon acabou sendo uma grande sacada, já que muita gente aproveitou - inclusive eu - para fazer um de seus longões para a SP City nessa prova, um ambiente controlado, com hidratação e apoio muito melhores do que correndo nas ruas por aí.

A prova, em geral, foi bem organizada. Para a distância menor, de 15km, aparentemente houve um erro na distribuição de postos de água e no meio da prova faltou esse abastecimento, mas para os 30km, assim como para os 7,5km, tudo correu bem. O trajeto, embora não seja dos mais vistosos e atrativos, o velho vai-vem na Marginal Pinheiros, tem a vantagem de ser rápido e plano. E para viabilizar os 30km, os corredores atravessavam algumas vezes a Ponte Estaiada, de modo que acabou não sendo uma prova totalmente plana. O que é bom, considerando que a própria SP City também não é plana.

Largada muito cedo tem o seus problemas de deslocamento, especialmente para quem usa transporte público, mas ajuda na temperatura. Realmente tava um clima bom, friozinho, e quando começou a esquentar um pouco a prova terminou.

Eu corri a prova no ritmo de 5m30/km, que é um pouquinho mais rápido que o previsto na SP City. Embora o ritmo tenha se mantido mais ou menos constante, o nível de esforço não esteve assim, o final da prova foi meio sofrido para manter esse ritmo, o que não é muito bom. Realmente, nos kms finais, o que me motivou foi saber pelo Giovanni que teria cerveja na tenda da Quark... e era IPA!!!

Missão cumprida, IPA degustada, aparentemente tudo ok para as duas provas restantes do Pelotão Sub2/Sub4!!






Resumo do mês - julho/2022

3 séries de fortalecimento muscular

2 doenças (caganeira e febre)

3 provas: Speed Run 30km, Asics Golden Run Rio e Sp City Marathon. Desistência nas últimas 2

191km completados em um mês cheio de problemas...


01 e 02 - off

03 - Speed Run 30k New Balance - 2h46m54s, de Brooks Hyperion Elite 2

04 - off

05 - 11,2k na esteira, rodando em 1h09m13, de Kalenji Race

06 - 5km aq + 3km Fartlek 250m/250m + 2km desaq. 10km, de Fola Racer Carbon + fortalecimento muscular

07 - 2km aq + 4km leve, de Asics Novablast

08 e 09 - caganeira

10 - 4,8km na Asics Golden Run. Desistência, ainda zoado, de Asics Novablast

11 - 7,6km leve na esteira, de Saucony Endorphin Racer

12 - 8km com subida e descida, de Joma SuperCross 6

13 - 10,1km ainda leve no plano, de Asics Novablast + fortalecimento muscular

14 - 8,3 km leve, de Mizuno Wave Rebellion

15 - off

16 - 25km longão, a 5m36/km, de Fila Carbon

17 - off

18 - 1,2km aq + 3x piramidal na esteira (variação a cada 250m), 8km + 1km desaq. Total 10,2km, de Joma Super Cross 6

19 - 8km leve com subidas leves na Aclimação, de On Cloud Monster

20 - 3km aq + 6 x 800m c/ pausa de 200m andando, 5,8km + 1,1km desaq. Total 9,9km, de Mizuno Wave Rebellion + fortalecimento muscular

21 - 7km leve na esteira, de Asics Novablast

22 - off

23 - Longão de 21km a 5m22/km, de Asics Novablast

24 a 26 - off (febre e dores no corpo)

27 - 8km leve, de Asics Novablast

28 - off

29 - 5,2km levinho, de Joma Super Cross 6

30 - off

31 - 21,1km na Sp City Marathon em 1h58m34s, desistência da Maratona, de Asics Novablast

terça-feira, 5 de julho de 2022

Maratona de Porto Alegre 2022 - Pelotão sub 4

Segunda prova do projeto do Pelotão Sub4, que começou com uma ideia de correr 4 maratonas como pacer em ritmo de 4hs (São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro e SP City), alterado por questões comerciais (as maratonas de SP e RJ foram trocadas por um pelotão sub2hs nas 2 Meias-Maratonas Asics Golden Run).

Para mim foi a primeira, porque na prova de estreia, a Meia Golden Run de SP, eu estava com Covid... e essa Covid que passou até rápido, mas me deixou com uma tosse sem vergonha, alguma dor no peito durante um tempo e zoou um pouco os meus parâmetros de treinos é que me deixou um pouco encucado para correr Porto Alegre. Pelos treinos pós-Covid, tudo bem, mas será que em uma maratona completa, em clima frio, não ia dar ruim?

Aliás, falando em frio, estava beeem frio. Não tanto quanto em Porto Alegre 2016, mas quase. O que para mim é bom, mas nunca se sabe diante de uma recente infecção respiratória. A madrugada do domingo viu uma galera totalmente encapotada, gelada, tiritando enquanto aguardava um pouquinho de calor do sol a nascer. E uma galera bem grande, já que desta vez a Maratona de Porto Alegre estava enorme. A Expo estava enorme, a prova tinha umas 15 pessoas, muito, mas muito diferente daquelas maratonas de PoA anteriores. Lembro que em 2007 eu estava no banheiro químico quando soou a largada e eu ainda assim cruzei o pórtico 2 minutos depois da largada, por exemplo. 

A parte boa de correr em pelotão é o fato de se correr em pelotão, um monte de gente juntas no mesmo ritmo, o que também oferece proteção contra o vento. Porque o dia estava lindo, com um solzinho gostoso e céu azul, mas o ar estava muito gelado e o vento do Guaíba, quando aparecia, era implacável. De qualquer forma, o fato de estarmos em cinco a puxar o ritmo me deixou muito mais tranquilo. O Dalton é uma máquina de precisão no ritmo. O Junior corre maratona para 4hs como se estivesse comendo pastel na feira. O Fabio Xu cuidava da animação, falava bastante e tinha experiência de sobra. Sergio e eu talvez fôssemos os mais pebas dos pacers, e eu ainda estava um pouco descalibrado em relação a ritmo, mas mesmo assim tudo correu bem.

Com tanta gente para puxar ritmo deu até para acelerar um pouco e tentar levar o pessoal que completava a meia sub-2 para um tempinho um pouquinho melhor no sprint final. Deu também para esperar o Basílio ir ao banheiro (umas árvores, basicamente) e depois puxá-lo para reconectar ao pelotão. E embora o pelotão fosse diminuindo, seja porque uma parte ficou na meia sub-2, seja porque alguns previsivelmente não aguentaram o ritmo, o fato é que chegou muita gente junto e muita gente feliz.

Alguns, como o Lula da Acorja, mesmo chegando mais para trás nos agradeceu muito pelo ritmo no começo e meio de prova, que ajudaram a conseguir um bom tempo final. Outras pessoas falaram que nos seguiriam "até a morte" e foram com muita garra, era perceptível que só terminaram junto porque tinha gente puxando. Nos últimos 2 quilômetros eu ainda segurei o ritmo para marcar o ritmo exatamente para 4hs e para salvar algum eventual atleta desgarrado, já que o pelotão acabaria terminando a prova com 3h58. Terminamos bem e, melhor ainda, com muita cerveja no final, já que isso era a maior exigência do Sérgio ao começar o projeto.




Resumo do mês - Junho/2022

 223,7km + 5 sessões de fortalecimento muscular


01 - 7,3km ritmo (5m33/km), de Asics Novablast

02 - 1km aq + 5 x 2000m (4m58 a 5m10/km) c/ pausa de 3'30" Total de 11,2km, de Mizuno Wave Rebellion + fortalecimento muscular

03 - off

04 - 15,4km rodando em Santos com o Valmir Nunes, de Adidas Adios

05 e 06 - off

07 - 7,6km ritmo (5m35/km), de On Cloud Monster

08 - off

09 - 7km ritmo (5m25/km), de Asics Novablast

10 e 11 - off

12 - Maratona de Porto Alegre - Pelotão sub 4. 3h59m38s, de Asics Novablast

13 a 15 - off

16 - 7km rodagem *5m37/km), de Joma Supercross 6

17 - off

18 - 29,3km leve (6m33/km) com o Madeira na USP, de Joma Supercross 6

19 - off

20 - 2km aq + 16 x 400m + 1km desaq. Total 11,1km, de Mizuno Wave Rebellion + fortalecimento muscular

21 - 12,1km ritmo contínuo, a 5m22/km, de Saucony Endorphin Pro

22 - 2km aq + 9 x 800m. 10,8km, de Saucony Type A + fortalecimento muscular

23 - 10,2km ritmo contínuo (5m27/km), de Fila Racer Carbon

24 - off

25 - Rotas do Brasil Strava - Pico do Jaraguá. 10km, de Mizuno Wave Rebellion

26 - off

27 - 2km aq + 14 x 500m + 1km desaq. 11,8km, de Joma Supercross 6 + fortalecimento muscular

28 - 9km rodagem  (5m34/km), de Skechers Gor Run Rzor 3

29 - 2km aq + 1 x 1000m c/ 2min trote. 10,7km, de Joma Supercross 6 + fortalecimento muscular

30 - 10km rodando leve (6m17/km), de Saucony Kinvara 9


 

quarta-feira, 1 de junho de 2022

Resumo do mês - maio/2022

233,1km em 18 treinos

8 séries de fortalecimento muscular

1 COVID

Alguns litros de saliva e catarro tossidos.


01 - 9,4km no evento On Cloud Monster, de On Cloud Monster

02 - 2km aq + 12 x 800 com pausa de 1'45 (7,3km). Total de 9,3km, de Mizuno Rebellion + fortalecimento muscular

03 - 12,1km de rodagem a 5m39/km, de On Cloud Monster

04 - 2km aq + 7 x 1200m c/ pausa de 2'30 (9,3km). Total de 11,3km, de Saucony Type A + fortalecimento muscular

05 e 06 - off 

07 - 30,4km no longo, a 5m27/km, de Brooks Hyperion Elite 2

08 - off

09 - fortalecimento muscular

10 - 11km de rodagem a 5m46 c/ pau no GPS, de Skechers Razor Elite

11 - 2km aq + 16 x 400m c/ 1'45 de pausa (8,2km). Total de 10,2km, de Nike Free 3.0 + fortalecimento muscular

12 - 5,4km rodando leve e tossindo (COVID, ainda não sabia...), de Asics Novablast

13 - 6km testando o Polar Pacer Pro, de Asics Novablast

14 a 17 - off - COVID)

18 - 2km aq + 10km rodando leve, testando o corpo pós-COVID, de Joma Super Cross 6 + fortalecimento muscular

19 - 2,2km aq + 12 x 500 com pausa de 1'45 (7,7km), de Skechers Go Run Razor 3

20 - off

21 - Longão de 32km a 5m36/km, de Asics Novablast

22 e 23 - off

24 - 1,2km aq + 5 x 2000m com pausa de 3'30 (10km). Total de 11,2km, de Skechers Razor Elite + fortalecimento muscular

25 - 11km ritmado a 5'37/km, de Joma Super Cross 6

26 - 2km aq + 16 x 400m c/ pausa de 1'30 (8,1km), de Joma Super Cross 6 + fortalecimento muscular

27 e 28 - off

29 - 19km de longuinho a 5'13/km, de Fila Racer Carbon

30 - 11km ritmado a 5'38/km de Joma Super Cross 6

31 - 2,1km aq + 12 x 500 c/ pausa de 1'45 + 1km desaq (8,9km). Total 12km, de Adidas Adios + fortalecimento muscular

domingo, 8 de maio de 2022

Resumo do mês - abril/2022

186km em 15 treinos 

6 séries de fortalecimento muscular

1000m de natação

1 tendinite no tendão de Aquiles direito e 1 estiramento no gastrocnêmio lateral esquerdo


01 - off

02 - off

03 - 21,1km em 1h54 na Aclimação, (longo abortado pela tendinite), de Skechers Razor Elite

04 - fortalecimento muscular

05 - 10,7km em 1h01 rodado, de Saucony Type A

06 - 2km aq + 14 x 500 (2'20" a 2'22, exceto o último a 2'14"). Total: 10,6km, de Mizuno Wave Rebellion + fortalecimento muscular

07 - 12,1km em 1h06, de Adidas Adizero Adios 2018

08 - off

09 - 18,4km em 1h45 na USP (longo abortado pela dor na panturrilha), de Fila Racer Carbon

10 - off

11 - fortalecimento muscular

12 - 5km em 34m39s, testando a panturrilha (reprovado, muita dor ainda), de Skechers Razor 3

13 - fortalecimento muscular

14 - off

15 - 1000m natação

16 - off

17 - off

18 - fortlaecimento muscular

19 - 5,1km em 32m31s, mais um teste da panturrilha (melhorando, mas ainda não bom), de Skechers Razor 3

20 - off

21 - 2,5km aq + 7 x 1000 c/200m pausa (4'32" a 5'00") + desaq, no Camp Corrida no Ar: 11km, de Skechers Razor Elite (eram 10 tiros, mas abortei no 7º no primeiro sinal de dor na panturrilha)

22 - 2,5km aq + 11 x 400m c/1min pausa (1'37 a 1'50"): 9km no Camp Corrida no Ar, de Saucony Endorphin Pro

23 - 18,3km de longo no Camp Corrida no Ar, de Skechers Razor Elite (eram 25, mas abortei no primeiro sinal de dor na panturrilha)

24 - 5,9km regenerativo no Camp Corrida no Ar, de Skechers Razor Elite

25 - off

26 - 8,2km de contínuo (abortado no final por dor na panturrilha), de Skechers Razor Elite

27 - 2k aq + 8x 800m/2min caminhada (3'55 a 3'56") + fortalecimento muscular. Total: 9,4km, de Saucony Type A

28 - 12,1km contínuo, em 1h08, de Mizuno Wave Rebellion

29 - off

30 - Longão teste, sem focar em ritmo. 28km a 5'45"/km, de Skechers Razor Elite

sábado, 9 de abril de 2022

Resumo do mês - Março/2022

237,6km em 21 treinos 

8 sessões de fortalecimento muscular


01 - 10km de rodagem no forno a 5m30/km, de Skechers Razor 3

02 - 1km aq + 4x 3km a 5m12/km. Total de 13,5km, de Fila Carbon Racer + fortalecimento muscular

03 - 12,3km rodagem com chuva e muito calor, de Mizuno Rebellion

04 - off

05 - 19km de longo a 5m23/km, de Hoka Carbon X

06 - off

07 - 2km Aq + 14x500 (4m30/km). Total 10,8km, de Skechers Razor 3 + fortalecimento muscular

08 - 10km rodagem (eram 12km), vencido pelo calor, de Fila Carbon Racer

09 - 2km aq + 9x1000 a 4m59/km/ 2min caminhando. 12,6km, de Saucony Endorphin Pro + fortalecimento muscular

10 - 12,5km rodagem a 5m30/km derretendo, de Skechers Razor Elite

11 - off

12 - 24km de longo a 5m23/km, de Skechers Razor Elite

13 - off

14 - 2km aq + 16 x 400m (4m36/km)/ 1m30 pausa. 10,4km de Nike Free 3.0 + fortalecimento muscular

15 - 13km rodagem a 5m35/km, de Skechers Razor Elite

16 - 2,1km aq + 9 x 800 (4m50/km), de Mizuno Rebellion + fortalecimento muscular

17 - 10km a 5m34/km derretendo, de Saucony Type A

18 - off

19 - 28km de longo a 5m35/km (tendão de Aquiles no km 19), de Brooks Hyperion Elite 2

20 - off

21 -  fortalecimento muscular

22 - 10km na esteira a 5m30/km de Skechers Razor Elite

23 - 2km aq + 9x800 (4m55/km). 10,4km na esteira, de Skechers Razor Elite

24 - off forçado - tendão de Aquiles direito

25 - off

26 - 20km a 5m23/km, de Skechers Razor Elite

27 - off

28 - 2,1km aq + 7x 1200m (5min/km) / 2min caminhando. 10,4km, de Skechers Razor Elite + fortalecimento muscular

29 - 12km a 6min/km num calor do cão em Olímpia, de Skechers Razor Elite

30 - 2km aq + 16 x 400m (4m36/km) / 1m30 caminhando, na esteira, de Saucony Type A + fortalecimento muscular

31 - 10,3km a 5m39/km de Skechers Razor 3

Resumo do mês - fevereiro/2022

 263,1km em 17 treinos e 1 meia-maratona + 6 séries de fortalecimento muscular


01 - 11,4km em rodagem a 5m31/km num calor do caraio, de Hoka Carbon X

02 - 2k aq + 9x800m/ 2min caminhando (4m50/km), num calor do caraio. 12km de Skechers Razor 3 + fortalecimento muscular

03 - 10,3km em rodagem quente a 5m30/km, de Fila Carbon Racer

04 - off

05 - 26,5km a 5m33/km numa USP bem quentinha, de Brooks Hyperion Elite 2

06 - off

07 - 2km aq + 12 x 500m/ 1m45 caminhando (4m25/km), num calor do cão, de Skechers Razor 3 + fortalecimento muscular

08 - 11,5km de rodagem a 5m36/km derrentendo no calor, de Saucony Kinvara 12

09 - 2km aq + 8 x 1000m/ 2min caminhando (5min/km), no inferno, de Brooks Hyperion Elite 2 + fortalecimento muscular

10 - 12,7km rodando a 5m35/km, temperatura finalmente um pouco mais leve, de Saucony Type A

11 - off

12 - off

13 - Meia Maratona de SP em 1h48m05, de Saucony Endorphin Pro

14 - off

15 - 8,5km fervendo, a 5m31/km, de Mizuno Rebellion

16 - 2km aq + 4x 2000 a 5m11/km/ 3min pausa, de Skechers Go Bionic + fortalecimento muscular

17 - 12,4km no calor do inferno, a 5m29/km, de Fila Carbon

18 - off

19 - 29,3km de longão, a 5m31/km, de Brooks Hyperion Elite 2

20 - off

21 - 2km aq + 12x 400/ 1m30 caminhando (4m30/km) + 1,1km desaquecendo (como se fosse possível...). Total 9,3km, de Skechers Razor 3+ fortalecimento muscular

22 - 12,2km cozinhando a 5m33/km, de Fila Carbon Racer

23 - 2km aq + 4x 2000 (5m11/km)/ 3min pausa, de Fila Carbon Racer + fortalecimento muscular

24 - 12,1km cozinhando a 5m33/km de Skecehrs Razor 3

25 - off

26 - 30km a 5m35/km (ritmo diminui no final), de Saucony Endorphin Pro

27 - off

28 - off


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

Meia Internacional de SP 2022

A meia internacional de SP foi a última prova que fiz antes do início da pandemia, em fevereiro/2020. E ela, que acabou não ocorrendo em 2021, voltou em 2022 com um número relativamente grande de otimistas inscritos de 2021 e os otimistas atuais de 2022.

Considerando o que aconteceu com a variante ômicron e o cancelamento de algumas provas em janeiro/2022, havia risco de a prova não acontecer. Mas não foi o que ocorreu, após o pânico inicial, a prova foi mantida. Para muitos, a primeira prova após a pandemia. Mas para outros muitos, uma prova em que acabaram não comparecendo, seja por receio dessa variante ômicron, seja porque as condições que os levaram a se inscrever em 2021 não se repetiram em 2022.

Assim, tivemos uma prova ainda atípica, com muitos inscritos e poucos participantes efetivos. Não sei qual o número de quebra, mas certamente ela estava muito mais vazia do que costuma ocorrer.

Para mim foi mais uma oportunidade de rever muitos amigos, amigos que eu vi pouco ou não via desde o início da pandemia. Já fizera algumas provas antes, inclusive a outra Meia de SP em novembro do ano passado, com percurso muito similar, mas desta vez seria a primeira prova já sob os treinos do Marcelo Camargo, uma primeira prova teste, após um mês e pouco de treinos.

Só que se a ideia era me colocar para correr forte, isso não foi cumprido por mim. Afinal, no dia anterior comi uma bela feijoada torcendo pro Chelsea e secando os Porco, o que deu muito certo! PALMEIRAS CONTINUA SEM MUNDIAL!! Só que a chance de uma feijuca no dia anterior a uma prova dar ruim é bem grande. Já tive essa experiência na Meia da Ponte Rio-Niterói, quando experimentei a feijoada do Garota de Ipanema e foi bem... desesperador!

Acordei muito cedo no dia da prova, tentei realizar a maior "produção" possível no banheiro antes de sair de casa mas, sinceramente, o que eu fiz não era nem um terço do que eu comi. Temi pelo pior, especialmente porque me sentia um pouco estufado. Além disso, o estômago passara a semana meio zoado e na hora que começou a melhor eu invento essa de feijoada...

Aqueci bem, fui para a largada faltando poucos minutos e praticamente não encontrei ninguém antes da largada, exceto o Giovanni, que também tava ressacado do jogo. Corredor não tem jeito mesmo...

Larguei tentando manter um ritmo confortável, tranquilo, sem fazer força. A largada em ondas foi bem mais espaçada do que imaginava e com isso mais a pouca presença de pessoas na prova, praticamente não tive problemas de muvuca na largada, mesmo largando no setor vermelho, o penúltimo. Só que como é em descida e como estava bem aquecido, o primeiro km já saiu a 5min04, um pouco mais rápido que imaginava.

A partir daí decidi não olhar no relógio. Ia seguir naquele ritmo de esforço médio/médio-alto, sem muita moleza, mas sem faze força. Nas subidas, para manter o nível de esforço, tirava o pé. Nas descidas, soltava o corpo, mas sem exagero. Durante a prova, vários conhecidos, várias palavras de incentivo, vários corredores mais ou menos no mesmo ritmo que eu, o que me ajudou a perceber que estava constante dentro dessa estratégia.


Assim chego ao km 18 e ao retorno à Pacaembu, uma subida leve e constante, onde eu quebrei fortemente na última meia, mas que dessa vez foi tranquila. Ali resolvi manter o ritmo, o que significava subir um pouco o nível de esforço, já que a prova tava acabando e eu seguia bem. E foi assim até o final, fechando em 1h48m05, ritmo de 5m07/km. Bem longe da minha melhor meia (uns 10 minutos mais lento), mas melhor do que a meia anterior e sem quebrar, sem chegar detonado. 

Ana Paula Simões, Babi Beluco, eu e Andre Verones

Boa prova e o mais importante: não tive que ir ao banheiro!!! 

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Resumo do mês - Janeiro/2022

Ano novo, treinadores novos, Marcelo Camargo na corrida e Pedrão Bianchetti no fortalecimento. Vamos ver que bicho dá!! E a volta dos offs!!!

264,7km em 21 treinos de corrida

7 séries de fortalecimento muscular


01 - 10.1km na Capri Run em São Roque, de Kiprun Trail

02 - 5.5km na esteira, de Skechers Go Run Razor 3

03 - off

04 - 2km aq + 12x400 (1'50" média), na esteira. 8,7km de Skechers Go Run Razor 3

05 - 10.9km em 1h (5'30"), na esteira, de Skechers Go Run Razor 3

06 - 2km aq + 7 x 800 (3'56 média). 9km de Brooks Hyperion Elite 2

07 - off

08 - 21km de longo em 1h51 (5'19"), de Brooks Hyperion Elite 2

09 - off

10 - 2km aq + 12 x 500 (2'20" média). 9,7km, de Saucony Type A. Fortalecimento Muscular

11 - 11.5km em 1h03 (5'28") na esteira, de Skechers Go Run Razor 3

12 - 2km aq + 7x1000 (5'00 média), na esteira. 10.2km, de Skechers Go Run Razor 3. Fortalecimento Muscular

13 - off

14 - 12km em 1h05'56" (5'32 média), de Mizuno Wave (mesmo! Chuva muito forte e ondas na sarjeta!) Rebellion 

15 - off

16 - 22km em 1h57'12" (5'19) de Brooks Hyperion Elite 2

17 - Fortalecimento Muscular

18 - 2.2km aq + 15 x 400 (1'48" média). 10.1km de Fila Carbon Racer 1

19 - 11.4km em 1h03'02" (5m33 média), de Skechers Go Run Razor 3. Fortalecimento Muscular

20 - 2.1km aq + 8x800 (3'55 média), de Adidas Adios 

21 - off

22 - 25km em 2h18'09" (5m32), de Saucony Endorphin Pro

23 - off

24 - 2km aq + 12 x 500 (2'20 média), de Fila Carbon Racer 1 (torci o pé levemente). Fortalecimento Muscular

25 - 11.6km em 1h04'31" (5'32 média), de Skechers Go Run Razor 3

26 - 2.1km aq + 8 x 1000 (4'58 média). Total 11.6km de Fila KR3. Fortalecimento Muscular

27 - 11.3km em 1h02'10" (5'30), de  Skechers Go Run Razor 3

28 - off

29 - 20.2km em 1h50'33" (5'29"), de Brooks Hyperion Elite 2

30 - off

31 - 2km aq + 17 x 400 (1'48" média - errei e fiz um a mais). 12km, de Saucony Type A. Fortalecimento Muscular


domingo, 2 de janeiro de 2022

São Silvestre 2021

Ahhhh, a São Silvestre da volta, a São Silvestre pós-nem-tanto-pandemia, a São Silvestre da (quase) normalidade!!!

Nada normal ainda: para uma São Silvestre o movimento na Expo foi bem abaixo do normal. Sim ainda tinha muita gente, mas menos do que em anos anteriores. Quem veio de fora de São Paulo não teria uma festa de Reveillon pública por aqui. As máscaras por todos os lados me impediram de visitar a Expo com o meu filho, já que menores de 18 anos não eram permitidos por lá.

No dia da prova, até o metrô parecia mais vazio. Foi fácil encontrar as pessoas nas baias que, por sinal, eram decorativas. Afinal, quem estava na área marrom podia ir livremente para a vermelha ou para a verde e vice-versa. O controle continuou rigoroso para evitar pipocas, mas dentro da área dos atletas, tudo liberado para quem não quisesse largar na sua respectiva área de largada. Mesmo assim, nada daquela muvuca tão tradicional da São Silvestre. Muita gente, mas a possibilidade de correr durante a prova inteira, desde o seu começo. Até mesmo no túnel que leva à Dr. Arnaldo, tradicional ponto de empacamento, era possível correr. 

Fizemos a prova eu, Sérgio e Dalton, num ritmo bem tranquilo. Não fossem as paradas para um xixizinho na parede, no bar para saber quem ganhou a prova, ou mesmo no tradicional ponto do km 14, onde neste ano não tivemos a tradicional distribuição de cerveja por causa da pandemia (tudo QUASE normal), mas ainda assim encontramos alguns amigos por lá, o ritmo seria de 6min/km redondo. Ritmo de corrida leve, mas corrida, não trote de boi espremido pra ser abatido. 

Também um número menor de placas e fantasias. Estavam lá? Sim, claro, mas em número muito menor. Teve o "filma eu Globo"? Teve, claro, mas em número menor. 

Mas também teve o Danielzinho no 2º lugar e a Jennifer no 3º lugar e bicampeonato para o etíope Belay Bezabeh e a queniana Sandrafelis Chebet, ambos campeões de 2018. Foi legal? Foi. Mas ficou um gostinho de quero mais, gostinho de agora eu quero a São Silvestre dos velhos tempos. Mesmo que não dê para correr direito. Mas se organizar direito, todo mundo corre.

Volta da Pampulha 2021

Pampulha de novo!! Mais uma vez, uma das provas preferidas da casa. E não, nunca é pela performance, sempre fraca e cagada, mas pela festa!!!

Sim, performance cagada porque, para variar, visitei os belos banheiros químicos da orla da lagoa. Aliás, incrivelmente limpos, com papel higiênico, pouco fedidos...


E como festa, a Pampulha é aquela oportunidade de reencontrar os amigos, tirar fotos e o atraso no papo, conhecer pessoalmente alguns amigos que só conhecia pela telinha do computador ou celular, tomar aquela cervejinha no Teo e na HF, fazer a festa na MCT... o tempo da prova? Ah, quem se importa. Deve ter sido 1h43 ou algo do tipo. Nada inesquecível. Mas tudo bem, a festa tava lá!!!




Meia Maratona de São Paulo 2021

A meia de São Paulo foi, basicamente, uma prova de improviso. Neste ano, a maior parte dos meus longos foi de 21km, e como essa meia foi a primeira meia paulistana no retorno das provas por conta da pandemia, resolvi me inscrever para fazer um longão de luxo e também para ver como estava fisicamente após as férias.

A resposta é: não muito bem. O ritmo de 5min/km estava muito tranquilo no começo da prova, mas de repente começou a ficar difícil e no final, impossível. Quebrei inapelavemente. O trajeto não é muito fácil, algumas inclinações que tornam difícil manter o ritmo e a partir do km 13 a vaca foi pro brejo. Tive náuseas, tive que dar algumas paradas, esforço errado e nos últimos 3km um trote a 5m50/km bem punitivo para fechar em 1h52, média de 5min20/km (não parece tão ruim, mas foi)

Mas valeu a pena voltar a correr uma meia na minha cidade, ver o movimento, sentir mais uma vez o clima de prova, reencontrar amigos etc.






Resumo do ano 2021

365 dias de treinos ou provas. 

3459 km percorridos. Muito além da marca anterior. 9,47km/dia

1 prova de 10km (Volta SP), 1 prova de 15km (São Silvestre), 1 prova de 18km (Volta da Pampulha), 1 meia-maratona (Meia de SP) e uma ultramaratona (Indaiatuba 6hs), com recorde pessoal nesta última

Desafio de correr todos os dias cumprido. Sem muitos problemas. O mais difícil foi fazer um treino no dia posterior ao da Ultra de Indaiatuba e os dois dias de treino em novembro em que fiquei gripado (tive 40 graus de febre nesses dias, mas na hora de correr a febre estava baixa). Sem lesões, só uma dorzinha aqui, outra ali, leves e episódicas, que passaram rapidinho.

Treinar todo dia acresceu muito volume, mas só foi possível sem ter problemas porque a intensidade foi bem controlada. A maior parte dos longos foi com bpms controlados e nunca em grandes distâncias (a maior parte foi de 21km). Os tiros e intervalados foram com intensidade máxima, quando o caso, mas com duração mais curta, menos repetições. Muita rodagem.

Apesar de proporcionalmente ter tido menos intensidade, a performance, pouco testada, estava boa. 48min nos 10km com máscara, recorde pessoal nas 6hs, e 21min no treinão de 4,75km da Mizuno, mesmo meio desconfortável (celular no bolso, shortão largo e pesado)

O pior do ano foi a continuidade da pandemia. O melhor foi a vacinação (ok, ficou um pouco dolorido, mas quem liga?) e o fato de nenhum familiar ou amigo próximo terem pegado COVID-19 na sua forma mais grave. As provas voltando dão esperança. A atenção ainda se faz necessária porque as variantes  do vírus ainda estão fazendo estrago e provocando muita preocupação, além do desgoverno que grassa no país desde 2019.

Os anos Bolsonaro serão lembrados como um dos piores momentos da história do Brasil. Não existe comparação. Esqueçam governos anteriores corruptos ou ineficientes. Neste, além de também ser corrupto, a ineficiência é ainda maior e parece existir um gosto pelo tosco, sujo, mal-feito, escroto e ofensivo. 

Torcemos para que 2022 seja o ano do fim da pandemia (surtos ainda ocorrerão), da volta à vida normal, das corridas, viagens e reuniões de amigos e família, e que também seja o último ano dos recalcados no Poder.


 



Resumo do mês - dezembro/21

260,4km com 3 provas (pampulha, Meia de SP e São Silvestre)

3 séries de fortalecimento muscular


01 - 10,4km na esteira (1h), de Brooks Hyperion Elite 2

02 - 7,5km na esteira (45min), de Brooks Hyperion Elite 2

03 - 10km na esteira (56min), de Brooks Hyperion Elite 2

04 - 5,1km na esteira (31min), de Brooks Hyperion Elite 2

05 - 21,1km na Meia de SP, de Skechers Go Run Razor 3

06 - 5km na esteira (32min), de Brooks Hyperion Elite 2

07 - 6km na esteira (34min), de Brooks Hyperion Elite 2

08 - 11km na esteira (1h04), de Brooks Hyperion Elite 2

09 - 10,6km na esteira, progressivo, de Brooks Hyperion Elite 2

10 - 5,1km aq + 4,1km fartlek (1m30/1m30), de Brooks Hyperion Elite 2

11 - 5,5km leve (33min), de Skechers Go Run Razor 3

12 - Volta da Pampulha 21 (1h43min46s), de Skechers Go Run Razor 3

13 - 5km (32min) + fortalecimento muscular, de Brooks Hyperion Elite 2

14 - 6,5km (37min), de Brooks Hyperion Elite 2

15 - 6km (34min), de Brooks Hyperion Elite 2

16 - 8km (aq + tiros de 200m), de Saucony Kinvara 12

17 - 10km (57min), de Saucony Kinvara 12

18 - 5,9km (43min) em São Roque, de Skechers Go Bionic Trail

19 - 7km (46min) + fort muscular, de Saucony Kinvara 12

20 - 10,5km fartlek, de Saucony Kinvara 12

21 - 10km (1h04), de Saucony Kinvara 12

22 - 7,5km (47min) + fort musc, de Saucony Kinvara 12

23 - 8,5km (50min), de Saucony Kinvara 12

24 - 2km aq + 4km prog, de Saucony Kinvara 12

25 - 6km (40min), de Saucony Kinvara 12

26 - 7km (35min), de Saucony Kinvara 12

27 - 5km (32min), de Saucony Kinvara 12

28 - 5,1km (36min), de Skechers Go Run Razor 3

29 - 5km (29min) + 6km (36min), de Skechers Go Run Razor 3

30 - 5km (30min), de Skechers Go Run Razor 3

31 - São Silvestre em 1h34m13s, de Fila Carbon


quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

Resumo do mês - novembro/21

298km em treinos 

2 sessões de fortalecimento

2500m natação

1 semana e meia de gripe, tosse e febre 


01 - CNA Camp dia 3 - 25km, com o Pelotão B13, de Mizuno Rebellion

02 - CNA Camp dia 4 - 7,3km, de Mizuno Rebellion

03 - 5km leve, de Fila Carbon 1

04 - 5km + fortalecimento (e uma caminhada de 4km subindo o Morro das Aranhas de chinelo), de Skechers Go Run Razor 3 -2

05 - 5km descalço na praia do Santinho

06 - 10km na praia do Santinho, de Altra Escalante

07 - 12km descalço na praia do Santinho + 700m nadando

08 - 5km na esteira, de Skechers Go Run Razor 3 -2 + 7km descalço na praia do Santinho + 800m nadando

09 - 10km Santinho-Ingleses, de Altra Escalante + 1000m nadando

10 - 5,2 + 7,3km descalço na praia do Santinho

11 - 5,2km descalço na praia do Santinho

12 - 5,1km de Fila Carbon 1

13 - 22,1k de longo no Ibira (5m34/km), de Mizuno Rebellion

14 - 5km gripado, de Fila Carbon 1

15 - 5km beeem gripado, de Fila Carbon 1

16 - 5km ainda gripado, de Fila Carbon 1

17 - 11km com intervalados de 500m/250m, de Fila Carbon 1

18 - 1,5km aq + 5km ainda meio zoado, de Fila Carbon 1

19 - 8km rodando, de Fila Carbon 1

20 - 10km ritmo + 3x1,5km/500m no Ibira, de Fila Carbon 1

21 - 12k leve no Ibira, de Fila Carbon 1

22 - 6k leve-medio, de Saucony Type A

23 - 8k ritmo (5m21/km), de Saucony Type A

24 - 7k rodagem, de Saucony Type A

25 - 4k aq + 2x2000/500 ritmo (6km) + fortalecimento muscular, de Saucony Type A

26 - 6k rodagem, de Saucony Type A

27 - 21,3km na USP com 5 biologias, de Fila Carbon 1

28 - 9km leve, de Fila Carbon 1

29 - 5k aq + 10x 250/250, de Brooks Hyperion Elite 2

30 - 2,4k aq + 7,6k ritmo (5m18/km), de Brooks Hyperion Elite 2