domingo, 16 de setembro de 2012

Türlerseelauf 2012 - Affortern am Albis - 14,1km

Depois da frustração de não completar a Mont Blanc, descolei mais uma corridinha nessas férias na Europa. Uma tal de Türlerseelauf, corrida na cidadezinha de Alfortern am Albis, nos subúrbios de Zurique, facilmente alcançável pelo incrível sistema de transportes públicos suíço. Como o site e o regulamento estavam todos em alemão, mandei um e-mail pro organizador em inglês perguntando qual o esquema, se dá para um brasileiro em férias participar. Não sabia se era um evento meio fechado porque, pelo que entendi, essa prova é também uma etapa de um campeonato regional de Zurique. Mas o organizador, Hans Peter, foi muito solícito e simpático, e me deu não só o aval como todas as instruções necessárias.

Chegar lá foi fácil. O trem da CPTM de lá é bem parecido com o daqui, exceto o fato de ser limpo, moderno, ter banheiro, dois andares, ter lugar pra todo mundo ir sentado... a corrida era às 15h30 e o trem estava cheio de atletas indo pra prova. Bom, pelo menos, não ia me perder na cidade pra chegar na largada, só seguir a boiada. E a base da prova era num centro esportivo simples, com pista de atletismo, campos de futebol, ginásio, parecia o Centro Olímpico do Ibira, só que melhor e mais bem equipado. Como a gente estava numa cidade de uns 5.000 habitantes como é São Paulo, essas pequenas diferenças são plenamente justificáveis...



Achei esquisito que em tanta organização, não tivessem achado meu número. Inscrição tava lá, mas o número não. Mas aí tudo se resolveu de forma simples, um outro número foi designado. A prova não tinha chip, era pouca gente. Eu me arrumei e fui pra largada. Tava um sol brasileiro, calor, e se eu tava sentindo, imagina os brancões de lá!

Türlerseelauf, basicamente, é uma volta no Türlersee, um laguinho que tem ali perto. A corrida basicamente era uma subida de 3km até o lago, onde a gente o contornaria e voltaria em descida até a chegada, no próprio centro esportivo.



Saí bem devagar, a uns 6min/km. Até porque a subidinha do começo, embora não fosse muito íngreme, era extensa, 3km em desnível. Depois era plano, ao redor do lago, onde tinha um pessoal curtindo o sabadão de sol, fazendo picnic, ou mesmo indo ver a prova. Divertido o jeito deles de incentivar: "hop-hop-hop!!"




Gradativamente fui me soltando e acelerando. E fui passando o povo, passando, sem fazer muita força, administrando o calorão. Na descida de volta dos 3 últimos quilômetros, dei uma aceleradinha e fechei  os 14,1km em 1h12min35s9, 5min08/km Muita precisão para uma prova sem chip. Mas bateu com o meu relógio. Prova sem chip e sem medalha também. E sem camiseta. Só alguns brindezinhos, como uma geléia caseira e uns cereais. Tudo muito simples, mas certinho. O preço pago, também, era bem baixo para padrões suíços, praticamente um combo do McDonald´s.

No final fui abordado por um senhor. Era o Hans Peter, organizador da prova. Sei lá como ele me reconheceu como brasileiro. Será que era pelo meu gingado? Será que era porque eu era o único ser de um grupo étnico diferente na região? Será que era pela camiseta laranja com dizeres em português? Enfim, conversamos um pouquinho, agradeci pela prova e voltei pro hotel com a missão de mais uma prova cumprida. Sai nhaca da Mont Blanc! Lógico que dessa vez o desafio era bem menor, mas pelo menos não volto pro Brasil com um gostinho tão ruim. Pena que não teve medalha.


Obs: anteontem, sexta-feira, chegou em casa um envelope da prova. Quando abri... era o número da prova que eles não tinham achado lá. Organizados demais, mandaram para o endereço dos atletas os números de peito, mas não previram a possibilidade de, em uma prova tão pequena, existir um cara lááá, do Brasil!





Nenhum comentário: