domingo, 31 de julho de 2011

Resumo do mês - julho/2011

189 km corridos em 14 treinos
30km rodados de forma beeem leve na bike.
6 séries de musculação

Recreatreino

Na reta final para Bombinhas, já não dá mais para ignorar que a preparação ficou aquém do desejado. Não conseguir emagrecer, tô irregular nos treinos e longe do meu melhor estado físico. Isso não me preocupa muito porque o objetivo deste anos era o de justamente relaxar um pouco, correr, fazer provas, mas sem a preocupação de performance. Só tinha uma prova que eu realmente queria fazer bem, que era a Comrades, mas como não deu pra ir, acabei relaxando de vez.

Assim, faltando poucos dias, o negócio agora é tentar descansar um pouco, já que um dos principais problemas que tenho enfrentado é a sensação de cansaço. E isso foi bastante significativo na quinta, onde a gente tinha uma rodagem simples, com o pequeno detalhe de fazer 6 rampas da Bienal seguida. Em outros tempos, faria todas com força total e desceria forte. Na quinta foi um sufoco terminar as rampas. A rodagem foi um pouco mais tranquila, mas mesmo assim tava sentindo cansaço. 10,5km em 1h, de Mizuno. 

Trabalho pegando, abortei a musculação na sexta e resolvi fazê-la no sábado, já que não ia treinar mesmo porque o treino previsto era um teste de 05km. Além de odiar esse teste quando feito no Villa-Lobos (odeio aquele zerinho feito de concreto), no meu atual estágio físico e de treino é algo que não significaria muita coisa. A importância principal de um teste desses é possibilitar ao treinador a mensurar o estado físico de seu atleta. Ora, o meu eu sei que é meia-boca. E pra Bombinhas, a utilidade de fazer 5km no pau uma semana antes é bem próxima a zero. Assim, fui no sabadão de manhã encarar a academia vazia, sossegada, puxei meu ferro e fiz minha rodagem na esteira mesmo. Recreativo puro, inventei um treino pra mim. Saí correndo de casa até a academia (2km de subida), e depois da musculação fiquei fazendo séries na esteira com inclinação progressiva, sem forçar em nada a velocidade, apenas tentando me manter correndo sem cansar muito. Fiz umas 06 séries de 1km, inclinando a esteira até 15º (nos últimos 300m) e deu pra suar bastante. Por fim, rodei 30min na ergométrica, só pra relaxar e voltei correndo pra casa (2km de descida). 10km no sabadão, com o velho Saucony Glide.

E no domingo, tinha pensado em pedalar, mas minha esposa quis conhecer a ciclofaixa... resultado, pedalando com ela, devemos ter feito 30km em 3horas, numa média fabulosa de 10km/h (6min/km)... mais lento do que eu faço correndo numa maratona, mas, enfim, era a esposa, né? E de qualquer forma, foram 3 horas em cima da bike, ainda que o esforço tenha sido mínimo...

quarta-feira, 27 de julho de 2011

O insustentável peso do ser

Milan Kundera certamente não pensou nas circunferências abdominais alheias quando escreveu "A insustentável leveza do ser". Também não deve ter passado pela sua cabeça que um intervalado poderia ser mote para sua obra. Mas acho que ele também não corria e não sabia o que ter que contrapor endorfina na veia com excesso de peso. 

Tô no auge do peso. 73kg. E esses 6, 7 kg a mais aparentemente me tornam mais lento. Eu tento argumentar pra mim mesmo que isso é músculo, já que levantar mais de 100kg no agachamento não é pra qualquer um. Mas ultimamente eu sempre me recordo do Ronaldo Fenômeno toda vez que eu me vejo numa foto.

A consequência lógica é não conseguir correr com a desenvoltura de antes. Talvez esteja até mais lento do que Kundera, se esse corresse. Senti isso na pele, mais uma vez, hoje. 4 intervalados de 2,6km (a volta do lago do Ibira sem nenhum cotovelo), em que o Paulão e a Grazi foram e eu fiquei... tempos: 14m56 (5min36/km), 12m39 (4min44/km), 14m00 (5min14/km) e 12m24 (4m40/km). Obviamente era fraco-forte, mas o forte não foi tão forte quanto gostaria. 11km, com o desaquecimento, de Nike Structure. 

Para Bombinhas não preciso estar rápido. Mas um pouco de leveza ia ser bom. Porque em terreno escorregadio, off-road. cada tombo dói mais quando se está pesado. Até Milan Kundera concordaria com isso.

domingo, 24 de julho de 2011

Double Long

Fazia tempo que eu não fazia um longão duplo no final de semana... mas, enfim, Bombinhas se aproxima, e por incrível que pareça a idéia desse longo duplo no final de semana era o de evitar desgaste. Sim, porque embora tenha sido um treino de volume, não envolveu um desgaste muito pesado nas duas sessões e, entre elas, houve um descanso.

Mas o registro cronológico deste post começa antes, na quinta, com um 2-6-2. Não, isso não é esquema tático de time de várzea, mas um treino que começou com uma rodagem de 2km, seguida de um trecho de 06km mais forte e, por fim, outra rodagem de 2km. O que interessa, que foram os 06km, saíram em 31 minutos, contando um pit stop que fiz no banheiro. Média de 5min10s/km, mas que foi efetivamente mais rápido, já que teve o pit stop. Não foi um treino exaustivo, não fiz força total, mas foi fortinho. Meu ritmo atual de velocidade está meio ruim mesmo, mas embora tenha corrido com a barriga bem estufada por conta do feijãozinho do almoço, corri bem melhor do que na terça. Com o aquecimento, deu 11km, de Nike Structure.

Na sexta, musculação e no sábado, enfim, o primeiro longão. Talvez por causa da musculação, tava meio travado, não sei, o pé doía dentro do tênis, como se não estivesse adaptado a ele. E fiz do treino uma diversão, corri com o Giglio, a Rose, a Day, o Brunetti e a Bia, em um ritmo levemente mais lento do que normalmente eu faço, mas que mesmo assim tava meio difícil, já que estava em um daqueles momentos em que "não é o dia". Mas as risadas valeram o treino. E de qualquer modo, rodamos 16,5km, com Mizunão Nirvana, e camel back nas costas.

A segunda perna do longão do final de semana foi melhor. Rodamos no sítio do Giglio, em São Roque, e saí me sentindo mais leve, mesmo estando mais quente, com sol e tempo aberto. Deu 19 km, em um treino que é mais difícil pelo terreno, pela variação de inclinação e pelo próprio tênis de trilha, mais pesado, e eu cheguei sobrando. Deve ter sido vontade de chegar logo pro churrasco, mas é incrível o poder da mente nessas horas, não?


quarta-feira, 20 de julho de 2011

Com melhoramentos no treino

Se na semana passada não deu pra ir no reflorestamento, nessa semana rolou. E foi bão pra cacete. Turmona boa, tempo legal, Cassiano experimentando novas trilhas (algumas que voltavam pro mesmo lugar de onde saímos), Fabinho se perdendo... e um treinão pesadão, puxado, difícil, muita subida, muita descida, variação de terreno, em alguns locais simplesmente não tinha trilha. Pra ter idéia da dificuldade, foram 22,5km em 3h10. Gastei meu North Face, mas no final foi bem divertido.

Na segunda rolou uma musculação com série nova, cheia de exercícios bizarros funcionais do Gabriel, um monte de coisa pra ser feita em uma perna só, a famosa série saci. Vou contabilizar os 3,5 km que eu fiz correndo de casa até a Academia e voltando, porque a subidinha dói...

E, por fim, treininho hoje no Ibira, consistente em um fartlekão com todo mundo na série. Boa parte dela foi levezinha, rodando. Mas com dois momentos de pico: o primeiro na pista de cooper, onde fazíamos um tiro de 100m com recuperação de 200m. Foram duas voltas nessa toada por lá e no final eu comecei a sentir dor de estômago. Que só piorou no segundo pico, na subidinha da Sabesp, 10 minutos rodando com subida mais forte e descida e planos mais leves. No total a brincadeira deu 10km em 1 hora, com o bom Mizuno Nirvana. Acho que eu tô numa fase onde não consigo mais melhorar meu condicionamento, aquele "vale" do macrociclo. Só que não dá pra parar por causa de Bombinhas. Mas vai ser punk...

E abaixo, o vídeo do treino de sábado. Apesar de tudo, fiz bem esse treino aí.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Sem melhoramentos no treino

Mais uma contusão superada. Só que ao contrário do que previa, não consegui, por problemas particulares, ir no treinão do Reflorestamento da Melhoramentos no sábado. Uma pena, porque parece que foi bom, o pessoal rodou pra caramba e sofreu pra dedéu. Acabei fazendo meu longo sozinho, no domingo, saindo de casa, indo até o Bosque do Morumbi, fazendo rampa que nem um retardado por lá e voltando pra casa. Foi legal ter aproveitado que várias ruas estavam interditadas por causa da prova da Corpore, que ainda não tinha começado quando eu passei. Interessante correr sozinho dentro do túnel da Juscelino. No final das contas, foram 28km em 3 horas e 10 minutos, algo em torno de 6min45s/km, um ritmo lento, mas aceitável, dada a minha jabulani abdominal e o fato de ter feito muita rampa lenta no Bosque. Além disso, esse tempo inclui todos os semáforos da volta e eu consegui pegar todos no vermelho!! Por fim, corri com o North Face, tênis de trilha, que é ruim de asfalto que dá dó!!
Off na segunda, terça foi dia de mais treino de corrida. Um rodadão de 3km, seguindo de um tiro de 2km. (10min04s) Depois um rodadão de 2,5km e um tiro de 1km (4min08s). Tudo isso com educativos nos intervalos. Foi... esfalfante. 8,5km não é muito, mas a intensidade me quebrou, até porque o rodadão foi mais forte do que deveria. Queimando o Nike Structure Triax

Quarta de musculação, começando a me sentir melhor com os exercícios e quinta com mais corrida. Desta vez rolou um circuitão seguido de 50 minutos rodados, dos quais 10 minutos na rampa da Bienal. Uns 8,5 km de novo, de novo também de Nike. A menção honrosa foi a quantidade de polichinelos que o Diego passou nesse circuito... Professor Sérgio Basílio, fica esperto!!!

Terei coragem?

Começou num post despretensioso, meio besta até... no começo desse blog, mais de um ano atrás. Passou despercebido até que, na terça-feira, o comentário! Não é que o recordista mundial de polichinelos em um minuto, que bateu o recorde ao vivo, no Esporte Espetacular, viu meu post engraçadinho e me desafiou????


Tá aqui: http://nishirun.blogspot.com/2010/04/recorde-mundial-de-polichinelos.html. Professor Sérgio Basílio, de Xerém!! Será que eu vou ter coragem????

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Mais uma

Vida pessoal conturbada, problemas pessoais de outras pessoas que acabam respingando e afetando a minha própria vida. Mas a vida continua. E as lesõezinhas também.

A dor que me pegou no sóleo resolveu ficar um tempo comigo. No treino de sábado, na Aldeia, fui sabendo que tinha que me poupar. Até porque na primeira corridinha, senti. Pouco, mas ela tava lá, repuxando a perna. Como o treino seria longo e num ritmo leve fui. A idéia era simples: corre-se numa direção durante 1h15 e depois volta-se pelo mesmo caminho. Corremos bastante, quase chegamos na Estrada dos Romeiros, mesmo com um ritmo leve. 12km mais ou menos. Nessa ida fui bem, segurando o ritmo e com uma dorzinha leve e constante, mas que não atrapalhava muito. Na volta, no entanto, começou a doer mais. A volta na Aldeia é mais pesada que a ida, porque tem mais subida. No final eu só andava, mas mais porque queria me poupar do que por incapacidade. Deu 2h45, ou seja, 1h30 na volta. 24km pra conta.

Depois do sábado fui pra musculação na segunda e quarta, pulando o treino de terça por um bom motivo. E na quinta, fui correr de levezinho. Mandei 6km em 35min, sem forçar e sem querer exigir demais do sóleo. Aparentemente tudo bem, algo muito discreto, praticamente imperceptível. Vamos ver se o próximo longão sai legal.