sábado, 3 de julho de 2010

Trilopez nas montanhas 2010

Os nossos treinos eventuais na Aldeia da Serra acabaram virando "a segunda corrida mais importante do mundo", segundo Dom Diego Lopez (a primeira é a Trilopez Confraternização de final de ano). É o segundo ano que eles inventam uma corridinha de 4 e 8km lá na Aldeia, naquele sobe-e-desce cruel. 

Vale dizer que ontem eu já tinha feito musculação, com direito a travada no agachamento que quase rendeu vexame (situação triste, ficar agachado com uma barra nas costas sem conseguir subir) e dores musculares hoje que parecem uma surra. E aí fui correr hoje fazendo força nas subidas e descidas da Aldeia. Lógico que ia ser bem meia-boca. Ainda mais considerando a minha ainda péssima forma física

Mas, ok. Fui lá prestigiar Dieguito e Cia., comprei uma camiseta de manga comprida na inscrição e levei minha medalhinha de completante para casa. 8km em 49min11 não é nada memorável, mas além de estar ruim mesmo, eu ainda parei pra tomar água bem calmo no posto de água do Paulinho e tive que fazer um alongamento no meio da subida porque minhas pernocas maçarocadas da musculação inventaram uma cãimbra. Fora isso, tranquilo, teve sorteio de brindes onde eu não ganhei nada, pela décima nona vez, e deu tempo de chegar em casa e ver a Argentina ser massacrada pela Alemanha. Um bom sabadão, portanto.

4 comentários:

satrijoe disse...

Pelo visto a maioria dos Brasileiros ja' esta' totalmente recuperada da eliminacao do Brasil com a derrota da Argentina, ne'? rs

Ja' melhorou de todas as -ites?

E agora o ingresso no mundo das 2 rodas e' pra valer? O investimento ta' ficando serio! rs

Abs, Shigueo

Ricardo Nishizaki disse...

Nada como uma derrota após a outra, hehehe... a bike ainda é uma coisa a longo prazo. Continuo sendo corredor e a bike serve para ajudar no condicionamento... e foi tão baratinha!!

Jorge disse...

Correr em morro é muito bom e pega um condicionamento bom, mais tem que se tomar cuidado com as articulações...Parabéns pela corrida irmão.

Um abraço

Jorge Cerqueira
www.jmaratona.com

Ricardo Nishizaki disse...

Ah, mas é tudo terra batida, praticamente. Foi bom, continua sendo teste pro joelho e pelo jeito tá tudo bem. O ritmo não foi lá essas coisas, mas eu mesmo nem queria correr pra matar ou morrer, era corridinha festiva, fui brincando no caminho, dei um sprintão no final pra faze barulho, hehehe.