sábado, 14 de agosto de 2010

Muco congela!

Frio na USP. 12ºC nos termômetros, que devem estar certos porque são aparentemente são novos e bem-cuidados por quem os usa como publicidade. Vento. garoinha intermitente. E um longão de 24km para ser feito às 07h00 da manhã. É nessas horas que eu tenho sentimentos contraditórios. De um lado, o orgulho de ser forte e conseguir não só acordar cedo para treinar, como querer fazer isso. Mas de outro, aquele pensamento de "o que eu estou fazendo aqui? Sinusite, resfriado e passando frio? Eu devia estar na cama quentinha tomando chá!"

Foi um longo bacana e social. Ritmo progressivo, com 3 voltas de 08km. Não peguei os tempos, mas no Garmin a primeira volta eu fiz com média de 5min40/km. Na segunda, o ritmo geral tinha baixado para 5min35, e na terceira eu fechei com 5min30 de média total, e 2h08 de rodagem para os 24km (que deu 23,3 no Garmin). Foi um longo "social" porque no caminho encontrei e rodei um pouco amigos de fora da assessoria, como a Bia, minha ex-chefe da Secretaria da Saúde, e com o Sascha, que foi meu companheiro de viagem de Amsterdã. Em ambos os casos diminuí um pouco o ritmo para correr junto com eles, conversar um pouco e, porque não, descansar também. Usando o meu Saucony Glide, que não deu bolha e tá se revelando um excelente tênis.

Foi um treino bacana, razoavelmente cansativo e que me ainda deixou pique para dar um rodadinha de bike e sentir como ela está. Rodei 20km dando volta na raia da USP (ô asfalto desgraçado!), sem fazer muita força. Deu pra perceber como o meu cateye tá desregulado, já que no GPS deu 20 certinho e no cateye, 22 e uns quebrados. Por evidente os valores de velocidade e média foram bem diferentes. Prefiro confirar no GPS, que deu 22,1 km/h de média (não foi grande coisa, mas o pedal foi relax) pra 54 minutos. Como o Régis avisou, o câmbio não tá lá muito regulado, os cabos são novos e coisa e tal. Puxava uma marcha, vinham duas. 

Pedalando descobri também que muco congela. Porque pegar aquele vento da volta da raia com o nariz escorrendo foi triste. Senti o muco se petrificando em gélidas estalactites no meu rosto, até a hora em que disse "chega de sofrimento!". Aí começou o sofrimento de desmontar da bike e perceber que eu só conseguiria desclipar do pedal se enfrentasse as cãimbras que travaram tudo do joelho pra baixo...

2 comentários:

satrijoe disse...

Pelo visto a bike ainda precisa de uns ajustes finos né?

Se eu soubesse que vc ia treinar na USP tinha te procurado. Fiz 14 km bem tranquilos por lá. Mas comecei mais tarde, lá pelas 8:45 partindo do final da esquina do velódromo perto de onde fica o pessoal da Find Yourself. Outras oportunidades virão.

Esse friozinho é tudo. Eu teria corrido mais mas tinha compromisso depois.

Que história é essa de Bilbao???

abs,
Shigueo

Ricardo Nishizaki disse...

Precisa, mas é aquela história: os cabos precisam deixar de ser totalmente novos para serem regulados definitivamente, o que só se consegue usando a bike. É que nem corda de violão nova. Desafina a cada 2 minutos pra caramba quando você coloca. Depois de algum tempo assenta e aí fica bom.

Pô, eu tava lá na USP nesse horário. Entre 07h00 e 11h00 da manhã tava lá eu, rodando, rodando. Ia ser mais uma "social" no treino! E a Trilopez fica perto dali, no velódromo, mas mais em frente de um dos portões traseiros, na raia.

E Bilbao será mais um ato de maraturista. Férias + corrida...