quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Sinos

Sinos nasais. Doem. Enxarcam de muco amarelado e purulento, expelido com assoadas melequentas e volumosas. Ou por espirros fétidos e ruidosos. A cabeça dói na testa, na fronte. Muco líquido e sem cor insiste em escorrer de dentro das narinas para o mundo exterior, buscando atender a lei da gravidade. 

E não fui treinar, porque até febre tenho. Percebi dentro do carro, preso no trânsito a caminho do Ibirapuera. Mas tudo bem, nem tudo tá perdido. 40 minutos de rolo na bike. Pelo menos suei.

Nenhum comentário: