terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Histórias de Cruce

Hoje, pra variar, tempo bom pra correr. Chuva, pistas vazias e o asfalto do Ibirapuera aos poucos sendo recapeado. Tá ficando bom...

Foi um treino decente, de circuitos duplos e tiros longos. Feito o primeiro circuito, o tiro era de 3,3 km, progressivo. Deu 16min40s, um ritmo de 5min03/km. Mais um circuito e o segundo tiro, de 4 km, fraco-forte. Saiu 21min cravados, 5min15/km. Foi bom, forte sem exagero, corri gostoso. Como aqueci quase 2km, vou arredondar pra 1,7km e totalizar 9 km.

Mas o mais importante foi reencontrar o pessoal que foi pro Cruce e escutar as histórias deliciosas deles. Um gostinho disso tá no vídeo oficial do 2º dia... o vídeo inteiro é legal (e tem outros para o 1º e 3º dias), mas nesse daí, aos 3min43, aparece um pouco do que foi a prova pros malucos da Trilopez... Boraê, Day!!!


3 comentários:

elis disse...

imagens inspiradoras!

valeu por partilhar;)

vou procurar o vídeo completo!

abraços!

satrijoe disse...

Esses vídeos me deixam tentados...

Mas eu ainda não tenho lastro suficiente pra entrar numa aventura dessas. Esta na minha lista de coisas a fazer um dia. O problema tb é que é meio longinho! rsrs Tenho uma amiga que fez o cruce ano passado. Preciso conversar com ela...

E vc, se anima Nishi?

Abs, Shigueo

Ricardo Nishizaki disse...

Opa, ô se me animo. Faz tempo que me animo, mas o difícil é a logística de passar 3 dias numa competição, além do pré e pós-prova. Quanto ao lastro, não é bem assim. O Cruce não é tão corrível, e muita gente vai pra lá na base do trekking mesmo. O desgaste é muscular, evidentemente, mas é bem diferente da quebradeira de uma maratona. Impactos bem menores, mas maior tempo de esforço que é menos concentrado e menos contínuo. Fora a paisagem...