quarta-feira, 14 de março de 2012

Acabo esquecendo

Vamos lá, treino de ontem quentinho no blog, porque senão acabo esquecendo: 2km aquecendo e 6 tiros na volta de 1,5km da pista de cooper do Ibirapuera: 7min09 (4m46/km), 6m53, 6m39, 6m37, 6m34 e 6m32 (4m21/km). Progressivo, mas quase fundindo o motor no final. Começou a chover durante os tiros e a pista, de terra e pedrisco, começou a ficar pesada. E a gente com tempo pra tirar, e a canelite apitando... o Nike Structure novinho, branquinho, foi devidamente batizado e agora tá da cor de burro quando foge dos meus outros tênis. Total, 11km. E musculação na segunda-feira.

4 comentários:

Sergio disse...

Nishi,
parabéns pela sua vontade, de seguir treinando mesmo com canelite. Uma pergunta, você faz musculação, mas faz algum exercício específico para reforçar o músculo tibial? pergunto também porque vi nos seus posts antigos que já teve fratura por stress.
Abraço,
Sergio
corredorfeliz.blogspot.com

Ricardo Nishizaki disse...

Sérgio, a canelite ainda está em nível 1, não tem atrapalhado tanto na hora de correr, mas dói depois e preocupa. Só que eu sei que terei canelite duas vezes por ano, quando o treino muda, intensifica... mas justamente por isso sei mais ou menos como ela funciona, quando tenho que diminuir o ritmo, quando não preciso... não faço exercícios específicos para o tibial, mas já fiz. O que acontece é que com ou sem exercício, a evolução e solução dessa craca sempre foram as mesmas. Aparentemente a canelite recorrente, no meu caso, não decorre de fraqueza muscular, mas dessa maior sensibilidade que eu tenho no periósteo devido às fraturas por stress que já tive. Ele inflama quando rola uma alteração na rotina de stress da região. E desinflama quando acostuma com isso e com o tratamento convencional (gelo, gelo, gelo!!!)

Sergio disse...

Legal, Nishi. Isso é que autoconhecimento he he. Bom para eu aprender um pouco mais...
abs
Sergio

Ricardo Nishizaki disse...

Chamaria isso de experiência própria... e ruim, lógico. Rs...