segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Golden Four SP 2012

Soube que estavam precisando de um marcador de ritmo pra 6min/km na etapa da Golden Four de São Paulo e me candidatei. Um rimo bem leve pra mim, facilmente suportável considerando os treinos malucos que ando fazendo e ainda a oportunidade de ajudar a galera. 

Na Expo, que por sinal estava sensacional, melhor do que todas as feiras de corrida que já fui na minha vida de corredor aqui e lá fora, fiquei sabendo pelo Danilo Balu que houve um problema na confecção dos coletes e que não rolar a marcação de ritmo oficial. Pena, mas ao mesmo tempo estava liberado pra correr do jeito que quisesse. E com a inscrição ganha para uma prova que não era o meu alvo, resolvi ajudar o Frotinha a levar o Ruy pro 1h45 que ele queria. 

Tinha rodado 20k no sábado, então a minha expectativa era de aguentar esse ritmo por uns 6, 7km, quem sabe 10km. 5min/km não é nenhum absurdo, mas eu estaria cansado de sábado e faz teeempo que não faço um longão corrido e ritmado. Como não ia correr pela prova, pelo menos pude calçar meus Nike Free, bem mais rápidos do que o tênis da Asics que estou acostumado a usar (o GT-2160). Estreei ainda a minha camiseta Operação Laranja, que o pessoal fez pra correr a Maratona do RJ.

Largamos e no 1º km já acertamos o ritmo de cara, 4min59/km. Frotinha e eu vínhamos na frente, conversando (eu tava fazendo um pouco de força), cortando o vento pro Ruy atrás. Logo na frente apareceu o Alex, que também vinha com esse mesmo objetivo e fizemos nosso bondinho do Cincão.

Correndo com a galera, o tempo tava passando rápido. Comecei a soltar as pernas e o peso do começo da prova passou, tava fácil correr naquele ritmo. Passamos pela USP e chegamos na Politécnica sossegados. Quando voltamos pra USP e começamos a subir o cavalo, ficou meio claro que eu tava sobrando e que o Alex também tava tranquilo, e puxei um pouquinho o ritmo. O Frotinha ficou mais atrás pra puxar o Ruy e eu comecei a puxar o Alex, abrindo uns 3 a 5 segundos por km, nada absurdo.


O circuito inventado pra prova era meio chato, travado, cheio de hairpins, mas era legal pra acompanhar os colegas do outro lado da pista. A gente começou a abrir um tempinho de gordura em cima da meta de 1h45. Saímos da USP e no túnel de acesso ao Jockey, já no km 18, percebi que a meta do Alex tava garantida. E senti que estava sobrando naquele ritmo. Se conseguisse apertar, contra todas as expectativas, ia baixar meu próprio de meia, então puxei. Só aí comecei a fazer força, mas também passei a rodar a 4min40/km, 4min30... até a chegada: 1h43m28s. 


Mais do que surpreendente, um recorde pessoal numa meia onde ia rodar pra 2h06 e depois de rodar 20k no sábado. Como assim?

Pois é: como estou mantendo os treinos de qualidade durante a semana, forçando velocidade e estímulo anaeróbico, não perdi velocidade, mesmo fazendo os longos bem lentamente. E como os longos têm sido feitos com sobrepeso, assim como os treinos de quarta, estou bem fortalecido e resistente. Ou seja, apesar de não focar especificamente pra meias, o supertreinamento me deixou ao mesmo tempo resistente sem perder a velocidade, e com um bom preparo aeróbico. Corrida de montanha realmente faz bem pro asfalto, né? 

Valeu. Valeu muito pela companhia dos amigos também, pelo café da manhã pós-prova.

Da esquerda pra direita: Ruy, Marcel, Flávia, Rivânia e mestre Marcelo Assunção.
Abaixo: Frotinha e eu.
Sobre a prova em si: o trajeto é meio chato e cheio de hairpins, bem travado e talvez não fosse o ideal pra baixar tempo, embora muita gente tenha conseguido isso. O tempo gostoso pra correr ajudou, mas a opção de começar bem cedo, às 07h00 também. De resto, só elogios, tudo é muito bem feitinho, baias de largada, hidratação, só faltaram alguns marcadores de ritmo, mas isso certamente não me prejudicou na prova! Os elementos extra corrida (feira, fotos, palestras, estruturação, medalha, camiseta) são muito bons mesmo, de chamar a atenção até de quem não liga muito pra isso como eu. A proposta da prova e a forma como é organizada, havendo só a meia e ponto final, e com objetivo de performance para os amadores, com a premiação com medalha diferenciada para os 100 primeiros, fazem com que essa seja uma das provas mais interessantes do calendário. Tem muita prova onde se paga caro e não se tem a contrapartida pelo preço. Nessa a inscrição é cara, mas o retorno existe e é justo.

p.s. Uma coisa para a qual não havia atentado. Essa foi minha 100ª competição. Nada mal fazer isso com recorde pessoal, não?

3 comentários:

Sergio disse...

Nishi
Parabéns pelo RP, ainda mais em uma prova que você correu sem esse objetivo! show de bola!
Grande abraço,
Sergio (do correria)
corredorfeliz.blogspot.com

Alex disse...

Nishi, sempre fui um leitor silencioso, timido até com meu pouco tempo de corrida. Mas foi legal demais te conhecer e podermos fazer o "bondinho do cincão" juntos, o que certamente me ajudou a chegar no meu RP, e legal que foi o seu também. Abraços e que venham as próximas!

CORRENDO QUE ME ENTENDO disse...

Parabens pela performace,pelo time que voce torce, corri ano passado esta prova e desisti de correr a Asics e voltar para a meia de SBC devido ao oba-oba desta prova , a mudança de percurso deixo de lado o propósito da prova que era percurso rápido , vou acompanhar seu blog e um dia conhece-lo pessoalmente , vc esta no seu pico de treinamento , pois correr 20 km e mandar um recorde no outro dia surpreendeu...
vou visitar sempre seu blog.

Alessandro Guimaraes BALEIAS/SP
http://correndoquemeentendo.blogspot.com.br/