terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Resumo do ano 2018

2018 foi um ano conturbado. Logicamente, o maior fator foi o surgimento do Rafael Kenzo e tooooodo o trabalho que ele nos dá. É ótimo, mas objetivamente atrapalhou um pouco a vida esportiva, né?

Na única prova foco do ano, não tive sucesso. Quebrei na Maratona de Chicago lá pelo km 28 e terminei com 3h39, um tempo ainda bom, mas longe do sub 3h30 que queria. Não teve ultra e as outras provas do ano foram todas participativas.

O Timão todo desmanchado ainda conseguiu ser campeão paulista e vice da Copa do Brasil. Muito para o elenco que tinha, mas o Brasileiro foi bem complicado, porque até o treinador perdemos. Mas ele voltou, vai Carille!!!

O Corre 89 FM acabou, depois de mais de um ano e meio mais ou menos. Os motivos? Só a rádio sabe, já que ocupávamos um horário morto da rádio, mas o fato de não ter fechado patrocínio ajuda, né? De qualquer forma, foi um prazer fazer o programa, algumas edições só com o PH, outras só com o Sérgio. Ouvimos muita gente boa, algumas figurinhas repetidas (com o Serginho Xavier, o Wanderlei Oliveira, PG e o José Virgínio de Moraes), alguns amigos com ótimas histórias (Ricardo Almeida, André Zumzum, Domingos Ferronato), atletas como o Vanílson Neves, a Animal, treinadores com o Zeca, o Nelson Evêncio, e muita mais gente boa!! Além disso, mais um sonho realizado: ouvir uma música minha tocando na Radio Rock: ok, na verdade, não é bem uma música minha, mas uma versão de Surfista Calhorda dos Replicantes, com o nome Corredor Calhorda, extremamente bem executada pelo Sérgio (guitarras, baixo e vocais) e pelo PG (batera e backing vocals). Por causa da agenda, ainda bem que eu não toquei nada (certamente iria piorar a execução), mas a composição da versão é minha!! U-huuuu! Os Intervalados!!!




Os running crews da Adidas e Nike continuam firmes, mas acabam sendo um fenômeno aplicável apenas a Rio e SP. As assessorias de corrida mantém o seu tamanho de mercado, crescendo em cidades menores. Muitos corredores começam a correr sozinhos, usando treinos on-line, por aplicativos e pegando dicas na internet, onde há muita informação boa (e é isso o que queremos fazer no Corrida no Ar), mas também muita informação ruim. Como em tudo que se relaciona à internet, o grande desafio é separar a informação que presta e a que não presta.

Falando em Corrida no Ar, continua crescendo. Fechara o ano passado com 110 mil inscritos, e neste ano com 170 mil inscritos. Não é mais o maior canal de corridas do mundo, ultrapassado pelo The Running Experience. Mas isso já era esperado, impossível competir com um canal em inglês e com diversos treinadores em seu staff, né? Surpreendente era um canal em português ocupar essa posição!

No final do ano, o Youtube fez uma limpeza, cancelando inscrições irreais, compradas por meio de bots ou assinantes irreais e o Corrida no Ar não perdeu inscritos, assim como o Tênis Certo, o Mania de Corrida, o Canal Corredores e o Corrida Simples, demonstrando honestidade e ética em suas praticas e ações. O Instagram, onde a "compra de seguidores" é ainda mais disseminada, também tem realizado limpezas periódicas e vemos alguns perfis perdendo um número significativo de seguidores #naocompramosseguidores

O ano em números:

2000,8km em 178 treinos (1813,1km) e 10 provas (1 maratona, 1 trail de 30k, 2 meias-maratonas, 1 Corrida Vertical e outras distâncias - 187,7km no total)
10,18km/treino e 18,7km/prova
84 sessões de fortalecimento muscular
2600m de natação
30 min de rolo na bike

Nenhum comentário: