sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

Resumo do ano 2020 - Foi horrível, mas sobrevivi

 1804,8km corridos em 227 sessões de treinos e 2 provas

31 sessões de fortalecimento muscular + treinos leves na sala (não contei...)

466,5km de pedal, a maior parte no Swift (22,5 de passeios com o Rafael na garupa)

Algumas viradas de natação muito esparsas...

Apenas duas provas reais: uma meia-maratona e um 5km, além de alguns desafios virtuais (Corrida no Ar + Comrades Virtual)


Um ano tenebroso. COVID-19 ferrou o mundo todo, centenas de milhares de mortes, milhões de doentes, uma pandemia global que adiou Olimpíadas, cancelou provas e campeonatos em todo planeta. O quadro foi tão desolador que reclamar de dois ciclos de treino de maratona que foram abortados na última semana em razão do cancelamento das provas (Stanley Marathon e Maratona de Sorocaba) parece até pequeno. E é. Mas aconteceu, e corridisticamente lógico que frustra bastante.

Foram 3 meses sem correr, até conseguir alugar uma esteira (o uso das esteiras do condomínio também estava restritíssimo). Após a liberação dos parques, ainda assim poucos treinos de corrida ao ar livre, já que usar máscara não é fácil, especialmente em estímulos mais intensos. Além disso, se estou pagando pelo aluguel da esteira, vou usá-la, oras! Fora que é muito conveniente.

Apesar disso foram 1800km corridos, o que não é tão ruim se comparado com os 1975 km de 2019 e os 2000km de 2018. O que mudou foi a intensidade, em média um pouco menor já que não tinha motivo para treinar forte se não há provas para fazer. Em compensação, com uma esteira em casa, a frequência foi maior, 227 sessões de treinos (além das 2 provas), algumas vezes rodando duas vezes ao dia. Também houve o período de um e meio antes da esteira em que rodei praticamente todo dia com a bike no rolo para tentar manter alguma atividade aeróbica. E como fiz a minha primeira prova de 5km da vida, teve recorde pessoal...

A COVID-19 parece não ter deixado sequelas em mim. Foram apenas 3 dias meio ruim, com febre e um pouco de dor de gargante e parece não ter me afetado fisicamente. Apesar de tantos treinos, 2020 termina com a forma física apenas mediana, sem treinos fortes, com o fortalecimento muscular um pouco negligenciado e a alimentação pé na jaca. Mas aparentemente sem qualquer relação com perda de capacidade pulmonar, cardíaca ou algo assim em decorrência desse maldito coronga.

2021 começa ainda sem muita perspectiva, dada a horrível gestão da saúde pública pelo pior Presidente da história do Brasil e grande candidato a pior deste século. Um criminoso pior do que qualquer presidente corrupto anterior, já que seu comportamento em relação à pandemia o torna responsável direto pela morte de milhares de pessoas vitimadas pela COVID-19 e por milhões de adoentados, muitos com sequelas. Além disso, não há nenhuma certeza de que seu governo esteja livre da corrupção. Ao contrário, denúncias grassam aqui e a ali e não me supreenderia que no futuro uma parte dessa sujeira toda seja revelada e o leve para a prisão, com os seus comparsas, filhos etc.

Mas a esperança é a última que morre. Quem sabe as circunstâncias não forcem, de alguma forma, a vacinação andar no Brasil, ainda que aos trancos e barrancos? Quem sabe medicamentos realmente eficazes não sejam desenvolvidos e liberados para uso? Quem sabe não ocorra o impeachment do Presidente, já que razões jurídica existem aos montes (a questão política é que ainda pesa)? A vida segue, independentemente dos desmandos dos governantes, e o brasileiro sabe muito bem o que é isso. Então, em termos de corrida, continuamos ativos para o nosso bem!!! E que tudo seja melhor em 2021!!!

Nenhum comentário: