domingo, 1 de agosto de 2010

O banheiro do MESC

O banheiro do MESC passou por uma reforma desde a última vez que eu estive lá, em 2007, quando me desassociei do clube por não ter mais tempo para frequentá-lo. Ao menos o banheiro do lado do boliche, que antes era notadamente um acanhado lavabo que datava da década de 70, com azulejo marrom e louças  e assentos combinando nessa cor, torneiras de metal já bastante desgastadas pelo uso,  registro da descarga de parede, um piso que há muito já tinha perdido a cor e iluminação precária feita com luminárias bola totalmente amareladas e que davam um ar bastante lúgubre àquele reservado.

Hoje ele é um banheiro ampliado, com azujelos e piso ranco-acinzentados, com mais quatro reservados (antigamente eram só dois) e três mictórios. A curiosidade é que o banheiro passou a ter duas portas de entrada, uma em cada extremidade do cômodo, que acabou englobando um outro banheiro interno que possivelmente serve o salão de snooker. Não tive curiosidade de ir ver. Foi utilizado um material bastante simples na reforma, as portas dos reservados são de folha de alumínio bem modesto, mas as luminárias foram trocadas por outras de lâmpadas fluorescentes de 30 cm. As louças também são bastante simples, mas são brancas e as privadas contam com caixa acoplada, muito mais econômicas. Os metais são igualmente simples, mas trocaram-se aquelas torneiras de metal do tipo borboleta por outras de registro arredondado. O papeleiro é do tipo industrial, com rolos de grandes dimensões e um papel higiênico de folha simples e pouco absorvente. Também ainda não se instalaram secadores de mão automáticos elétricos, de vento, utilizando-se de papeleiros com folhas igualmente simples e pouco absorventes. Mas que dão para o gasto, já que o MESC não é um estabelecimento de luxo, mas um simples clube desportivo de São Bernardo do Campo e que tem o seu maior patrimônio em sua propriedade imóvel amplamente arborizada.

Ah, sim, há muito eu não fazia uma meia maratona acima das duas horas, como fiz hoje na Meia maratona de São Bernardo: 2h01m33s. Mas pelo menos 5 desses minutos foram passados no estabelecimento acima, que se localiza no 14º km da prova. E de Mizuno Nirvana.

2 comentários:

Shigueo disse...

Pensei que vc tinha virado fiscal sanitário! Nunca vi um banheiro ser descrito com tantos detalhes! rs

Quer dizer que o papo com o Wanderley teve que acontecer no meio da prova?

De uma forma ou de outra, mais uma meia pro currículo. Tirando o pit stop, a prova foi boa?

Abs,
Shigueo

PS: Dá um pulinho lá no meu blog porque te indiquei pra um selo de garantia!

Ricardo Nishizaki disse...

Ah, era o banheiro do MESC ou o bar do Benê. Acho que fiz a escolha certa.

Olha, a Meia de SBC é conhecida por ter um percurso difícil, tem 3 subidas principais fora os demais desníveis. Mas sempre foi uma prova interessante porque geralmente o clima tá bom pra correr. Hoje tava meio quente pra correr, 25ºC, o que tornou a prova mais difícil. Eu, que corri sem forçar, e depois administrando as cólicas, terminei a prova inteiro. O tempo foi horrível, mas cheguei firme. Das outras 2 vezes cheguei morto, exausto, mas tentando baixar tempo. A organização é Corpore, padrão bom, água gelada e a prova ainda é conhecida por ter uma equipe, a Acrimet, sempre distribuindo frutas em dois pontos da prova, independentemente de sua equipe. Enfim, bacana, apesar do resultado ruim.