sábado, 19 de novembro de 2011

Era uma vez um Asics...

Tenho tentado usar o GT 2160. Apesar de todas as bolhas que me deu, tenho insistido, na esperança de que demore um pouco pra "tomar forma" do pé, mas realmente não dá mais. O longuinho de hoje, 18k, foi o fim da linha. Ele é até usável em treinos curtos e talvez eu ainda tente utilizá-lo durante os treinos de qualidade, mas pra qualquer coisa acima de 10km ele é inviável, não conversa com o meu pé de jeito nenhum. 

Hoje, duas semanas faltando para a próxima meia-maratona, era dia do treino que me daria uma idéia mais definitiva do que posso tentar fazer nessa prova. Rodei 18k, tentando ir o mais rápido que consegui e o resultado não foi dos melhores: 5min10/km, 1h32. Pace acima do meu recorde pessoal (1h48), realmente não vai dar pra tentar baixar a marca. A temperatura tava ótima pra correr hoje, não dá pra pedir clima melhor. Embora estivesse meio sonado, acho que estava desenvolvendo algo muito próximo do meu máximo potencial atual, o problema mesmo é peso. Se a meia fosse noturna, talvez desse pra beliscar um recorde pessoal, mas como é no "horário normal" matinal, quando rendo nitidamente menos, não vai dar pra buscar mesmo. 

Pior foi terminar o treino. Na verdade, quando corria não senti nenhuma dor no pé. Mas assim que parei e dei uma esfriadinha, começaram as dores lancinantes no pé esquerdo. Fiz uma pequena bolha na "bola do pé" antes do dedão, bem onde traciono, e isso acabou fazendo com que inconscientemente eu passasse a jogar o pé mais pra fora. Resultado, quando esfriou, quando passou a adrenalina e endorfina do treino, a dor veio matadora. Mesmo tirando o tênis, permaneceu um bom tempo. Só agora de noite, depois de passar o dia inteiro de Crocs, voltei a andar normal. Aparentemente não tive nenhum trauma maior, mas esse negócio da posição do pé doeu demais, até assustou.

No resto da semana, nada memorável também. 10k na segunda-feira, variando ritmo a cada 2km, leve-forte: 6min14/4min47/6min15/4m45/6min30. Sob chuva, treino solitário, mas gostoso, calçando Mizuno. Quarta de musculação estouradora de músculos e na quinta um fartlekão de 11,5km, de Nike Structure. Iniciou com uma rodagem coletiva meio bizarra, correndo de costas quando o Diego apitava. Depois, na escura pista de cooper, 8 séries de 1km com a seguinte configuração: iniciava com 100m fortes e 900m mais fracos. Depois 200m/800m, 300/700 indo assim até o 800m/200m. De qualquer forma, o ritmo do km deveria variar entre 5min/km e 4min30. Acabei não marcando direito o treino e não sei se segui tudo à risca, mas fiquei bem cansado, fazia tempo que eu não sentia dores de acúmulo de ácido lático na musculatura durante um treino de corrida. Geralmente o pulmão me limitava antes de isso acontecer.

Um comentário:

Carlos Chaves disse...

Ricardo Nishizaki, sou representante da Asics e vi este post e me preocupei. Como você é de São Paulo, passa na loja da Asics na oscar freire e faz o tste de pisada com o foot ID. O profissional vai indicar o tênis Asics ideal para você