terça-feira, 21 de abril de 2015

Vancouver Sun Run 10k

A Vancouver Sun Run é A prova da cidade. Mais de 40 mil corredores comparecem para participar e marcar presença na corrida organizada pelo jornal Vancouver Sun, mas que também, de uma certa forma, marca o início da estação quente. Junte tudo isso e você coloca quase 1/10 da população da cidade numa corrida de rua, uma proporção absurda (é só comparar com os 25 mil da São Silvestre para 12 milhões de habitantes em São Paulo, proporção de 1/480).

Como será participar de uma prova dessa grandeza? Estava curioso para ver a organização da prova. Obviamente, a largada teria baias e ondas, mas mesmo assim é muita gente, no centro da cidade!! Mas não é que deu certo? A prova foi estruturada em 6 baias, onde você ingressava de acordo com o tempo informado. As baias eram bem isoladas, com grades altas, nas calçadas, mas não havia muito controle. Mesmo assim, chutaria que 90% das pessoas estavam obedecendo as indicações, algo natural para um povo ordeiro como o canadense. E mesmo entre os que estavam nas baias erradas, haviam muitos que se autorrebaixaram. 


Dentro das baias, as largadas eram dadas em ondas. Como estava dentro da baia e bem no final, não consegui ver e entender direito como isso funcionava, mas percebi que a minha baia branca teve umas 3 largadas até efetivamente sermos liberados. Eu estava numa baia bem lenta porque ia fazer a prova com a Alessandra, então não sei como foi a coisa nas baias mais rápidas. Mas nessa turminha de 1h00 a 1h30, boa parte das pessoas parecia mais ou menos ter um ritmo adequado pra baia. Toda vez que via alguém caminhando na minha frente, fechando a pista, dei um encontrão, um esbarrão, até pra pessoa se tocar que tava atrapalhando. Foram umas 10 topadas. Parece muito, mas como estamos falando de 40 mil completantes, até que não tava mal, na proporção E sendo bem franco, todos esses esbarrões e empurrões eram evitáveis, havia algum espaço para ultrapassar e sinalização constante jogando os walkers para a direita. Eu é que tava sendo crica mesmo.



A Alessandra e seu personal coelho, eu, fechamos em 1h05. Tempo que pra mim é surpreendente, já que esperava 1h08 no máximo. A bichinha acelerou nos 2 últimos quilômetros e até na subida da última ponte não esmoreceu. A prova é rápida (o vencedor foi um americano de Eugene, Oregon, que fez 28m53) mas tem duas pontes que complicam a beleza. Mesmo assim foi uma prova interessante, ensolarada e onde a Alessandra passou até calor, foi tirando casaco, manguito, luva e passando pro guarda-volume pessoal dela...


E a dispersão dessa multidão? Pois é, a chegada foi na BC Arena, estádio coberto que é sede do Vancouver Whitecaps, time de futebol da cidade, e talvez o único lugar capaz de comportar tanta gente e tantos patrocinadores e fornecedores de produtos...


Enfim, o saldo foi positivo. Em termos de organização, o grande diferencial realmente foi organizar a largada e a chegada. Durante o percurso foram exagerados 5 (!) postos de água para 10km, sendo que os dois primeiros no 2º e no 3º km, muito próximos entre si. Várias bandas no caminho e a camiseta dada é de algodão bem meia boca, e muita, mas muita gente correu com ela porque se inscreveu na prova fazendo parte de algum grupo, com uma inserção personalizada nas costas. Desde as velhinhas da comunidade gospel japonesa de Vancouver, aos amigos do garçom do bar, passando por empresas grandes, cerca de 70% das pessoas que vi na prova, nesse pelotão mais lento, corria vestindo a camisa do grupo do qual fazia parte. Vi até um grupo chamado "walkers runners", um contrassenso, se não houver uma empresa chamada Walkers... 

Haviam pessoas nas ruas apoiando os corredores, mas nada muito massivo. Não eram muitos, mas acho que isso tem uma razão simples: proporcionalmente eram poucos espectadores porque a maior parte da cidade estava DENTRO da prova, correndo, ou trabalhando na prova ou nos eventos pós-prova (brunchs Sun Run, etc). Muito depois de a prova ter terminado, à noite, ainda se viam alguns corredores andando pelo Centro, com a camiseta e o número da prova afixados, aproveitando o domingão de sol na linda Vancouver...

Nenhum comentário: